HALLOWEEN – UMA FESTA PAGÃ, DO JEITO QUE O DIABO GOSTA. NÃO SE ENVOLVA NISSO!

HALLOWEEN – UMA FESTA PAGÃ, DO JEITO QUE O DIABO GOSTA

 
Por: Pr. Nélson R. Gouvêa
Gaste alguns minutos lendo essa mensagem, pois o assunto é muito sério!
Deuteronômio 7:25,26 – “As imagens de escultura de seus deuses queimarás a fogo; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que não te enlaces neles; pois abominação é ao Senhor teu Deus. Não porás, pois, abominação em tua casa, para que não sejas anátema, assim como ela; de todo a detestarás, e de todo a abominarás, porque anátema é.”
Oséias 4:6 – “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.”
1 Coríntios 10:19-23 – “Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele? Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.”
2 Coríntios 6:14 – “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?”
Filipensens 4:8 – “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.”
“Halloween” é uma contração da expressão “Ali Halíows Eve”, que significa véspera do Dia de Todos os Santos. Esta celebração acontece nos Estados Unidos, porém é uma comemoração bem difundida e está presente também no Brasil.
Uma das lendas sobre essa festa tem origem celta e fala que os espíritos das pessoas que morreram no ano anterior voltam nesta data à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os cel­tas acreditavam ser esta a única chance de vida após a morte. Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite de 31 de outubro eles apagavam as tochas e fogueiras de suas casas, para que elas se tornassem frias, colocavam fantasias de monstros e saíam às ruas para assustar os espíritos.

31 de outubro é o dia mais importante no ano satânico. Marca o ano novo Celta, neste dia, realizavam cerimônias de adoração ao “deus da morte” ou ao”senhor da morte”. Isso acontecia na cerimônia “Samhain” durante o festival de inverno, na qual eram oferecidos sacrifícios humanos.

Em 31 de Outubro, os druidas iam de casa em casa exigir determinados alimentos, e todo aqueles que recusassem doar eram amaldiçoados.
31 de Outubro é a noite que os Satanistas e ocultistas do mundo reservam para a dar a maior honra a Satanás e a orar para a queda da igreja de Jesus Cristo e a destruição das famílias. É a noite do sacrifício humano a Satanás. É o dia mais importante na vida de um Satanista. Não é uma comemoração inocente!!
O que acontece hoje com esta celebração moderna de Halloween? Existem monstros, corujas, fantasmas, cabo de vassouras, etc. As crianças são vestidas como demônios, bruxas, fantasmas, monstros e saem para fora, nas ruas na escuridão e refazem a prática pagã, exigindo alimento dos povos sob a ameaça dos truques se não cooperar.
Mesmo que hoje em dia Halloween seja comemorado de uma maneira inocente por muitos jovens, ele é levado a sério pela maioria das bruxas, membros do movimento neo-pagão e ocultistas em geral.
Devemos com toda certeza nos mobilizar no sentido de passar estas informações para os nossos filhos. Lembrando que os colégios estão se mobilizando para comemorar esta data sob a alegação de ser uma festa inocente, porém espiritualmente falando isto é trágico, pois devemos honrar o Senhor Jesus e não satanás. Qualquer manifestação que vise desonrar o nome de Deus deve ser coibido. Os conselhos de classes de alguns colégios estão reunidos nestes dias que antecedem a esta festa pagã. É preciso que a sua voz seja ouvida. Se não é importante que seus filhos não participem.
Em casa também deve-se evitar qualquer brincadeira nesta direção. Devemos interagir com nossos filhos mostrando-lhes a origem deste acontecimento.
Que Deus nos dê sabedoria e discernimento para nos posicionar contra esta festa ocultista e satânica.
Deus abençoe nossas famílias…
Em Cristo Jesus,
Pr. Nélson R. Gouvêa
Msg enviada por Myriam Alves F. De Santis.
——————————————————————————————————–

 

HALLOWEEN, UMA FESTA PAGÃ
Os maiores índices de vendas de doces e balas nos EUA e Europa ocorre na época do halloween. Esta festa teve início no culto pagão realizado por sacerdotes druídas. Eles faziam sacrifícios humanos inclusive com crianças. Crê-se que tais sacrifícios são feitos ainda hoje, prova disso é a preocupação das autoridades dos EUA com o alto índice de crianças desaparecidas nesta época.

Estranhas brincadeiras
Há uma prática no halloween americano chamada “fogueira de ossos”, onde uma foqueira fica acesa toda a noite queimando ossos até tornarem-se cinza. A crença druída, rezava que, na noite de 31 de outubro os mortos da família se levantavam e visitavam a casa dos parentes. Se ao chegarem não houvessem guloseimas e manjares preparados para eles, satanás visitaria aquela casa.

Hoje vemos as crianças de casa em casa pedindo doces, fazendo papel de criatura das trevas. E cada vez que falam “treats or tricks?” – “Oferenda ou Travessura?” – estão proferindo “Ou você me dá um doce, ou te amaldiçôo”. Mas para eles tudo não passa de uma brincadeira.

A abóbora com um rosto esculpido e uma vela dentro tinha o sentido de iluminar o caminho quando andavam pela floresta durante a noite e simbolizava o espírito de um morto do qual recebiam poder – Joquio. Com o tempo o tal espírito passou a ser chamado de “Jack”.

Nas cerimônias, ou festas, pagãs que druídas realizavam nas florestas, eram oferecidos sacrifícios de animais e crianças, e culminava com orgias sexuais. Semelhantemente aos bailes e festas de hoje em dia, muitas delas caracterizadas pelos símbolos do halloween, onde muitos encontros terminam em quartos de hotéis.

O halloween é uma festa pagã, satânica.

Pessoas que deixaram o satanismo contam que para o satanista há 3 datas mais importantes no ano:
1º – o aniversário deles próprios;
2º – 30 de Abril – antiga data do Dia de Finados (hoje 02/11);
3º – 31 de Outubro – halloween. Por que será?

O que a Bíblia diz sobre o paganismo
No Antigo Testamento a ira de Deus manifestou-se com vigor contra tais práticas. E o alerta de Deus é veemente quanto ao que os aguarda na eternidade, se não se arrependerem.

“A feiticeira não deixarás viver. (…) Quem sacrificar aos deuses e não somente ao Senhor será destruído.” Exôdo 22:18-20.
“Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos, pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor…” Deuteronômio 18:10-12.
“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte (morte eterna).” Apocalipse 21:8.

Halloween cristão, será possível?
Todo ano, em outubro, milhões de pais cristãos professos aprovam enviar seus pequenos para as ruas vestidos de duendes, bruxas, fantasmas e até diabos, em um ritual de “travessuras ou guloseimas”. Será que este costume é apenas uma noite de inofensivo divertimento e tolice? O que está exatamente, envolvido neste festival? Sobretudo, como deve, um verdadeiro adorador do Deus eterno, encarar estes costumes? Que orientações podemos encontrar na Bíblia para nos ajudar a saber o que o próprio Deus pensa sobre isto?

Muito do que acontece no halloween evidentemente é encarado como algo inofensivo. Quando os jovens profanam edifícios, quebram janelas, furam pneus, etc., a maioria deve concordar que é algo muito prejudicial e degradante. Mas que dizer sobre o costume popular do “travessura ou guloseimas”? É algo inocente como tantos pais pensam? Para compreender a resposta a esta pergunta, nós devemos primeiramente compreender de onde este festival veio e porque era celebrada originalmente.

Como já vimos, a celebração do halloween já era praticada pelos pagãos há muito tempo com um significado notoriamente macabro.

No livro “Halloween Através dos Séculos” (Ralph Linton, pg.4), nós encontramos: “O mais antigo halloween foi celebrado pelos druidas em honra a Samhain, “senhor dos mortos”, cuja festa caía em 1º de novembro.”

Na Enciclopédia Britânica (11º ed., Vol. XII, pg. 857-858) lemos: “Era crença druida que na noite deste festival Saman, ‘senhor da morte’, chamava para junto de si os espíritos malignos que tinham sido condenados a habitar os corpos dos animais nos últimos 12 meses.”

O primeiro dia de novembro foi considerado por muitos povos antigos do norte, como sendo o começo de um ano novo. Neste tempo, quando as folhas estavam caindo e quase toda a folhagem das árvores estava desaparecendo, acreditava-se que as almas dos mortos retornavam aos seus lares. Se estes espíritos não encontrassem o alimento e abrigo apropriados ou fossem ofendidos com o que encontravam, a maldição do demônio viria sobre as cidades, vilas, etc. Sacrifícios eram oferecidos aos mortos nestas ocasiões em várias regiões. Este dia foi chamado de “noite de todas as almas”. Naqueles dias, o 1º de novembro iniciava-se no pôr-do-sol, correspondendo assim ao cair da noite do nosso atual 31 de outubro.

O dia de todas as almas
O costume de comemorar o “dia de todas as almas” pode ser encontrado por todo o mundo. O “Dicionário Padrão de Folclore, Mitologia e Lenda” nos diz: “Essencialmente,‘todas as almas’ é a adaptação de um costume de abrangência quase mundial de se reservar uma parte do ano (geralmente a última parte) para os mortos. Os babilônicos observavam uma festa mensal de Todas as Almas em que sacrifícios eram feitos por sacerdotes.”

No “Folclore”, por James Napier (pag. 11) nós lemos: “Havia uma opinião geral entre todas as nações de que, na morte, as almas de homens bons eram possuídas por espíritos bons e carregadas ao paraíso; mas as almas de homens maus eram deixadas para vaguear no espaço entre a terra e a lua, ou entregues ao mundo espiritual. Estes espíritos vagantes tinham o hábito de assombrar os vivos… Mas havia meios pelos quais estes fantasmas poderiam ser exorcizados.” Esta satisfação poderia ser proporcionada através de presentes e alimento que poderiam ser preparados e oferecidos para eles. O abrigo também deveria ser providenciado para estas almas. De acordo com estas superstições, se você satisfizesse estes espíritos, eles não o incomodariam; entretanto, se não fossem satisfeitos, as maldições do demônio recairiam sobre você. A mesma doutrina é observada em nosso país nos cultos afros (pagãos) onde fazem despachos com alimentos para satisfazer os espíritos.

“Os Astecas do México acreditavam que as almas dos mortos voltavam no décimo segundo mês do ano, que corresponde a nosso novembro. Neste ‘dia de todas as almas’ as casas eram enfeitadas por fora para dar boas-vindas aos espíritos. Vasilhas de comida e bebida eram preparadas numa mesa no cômodo principal, e a família saia com tochas para encontrar-se com os espíritos e convidá-los a entrar. Então, retornando à casa eles se ajoelhavam ao redor da mesa e curvados, rezavam para as almas aceitarem suas ofertas” (Adonis, Frazer, p. 244).

Assim, por todo antigo mundo pagão, nós encontramos um padrão similar para apaziguar ou fazer ofertas e presentes aos espíritos de mortos. Naturalmente, há diferenças nos métodos, mas a mesmo propósito prevalece em todos.

O ponto de vista de Deus
Neste momento, nós podemos notar que o Deus verdadeiro, Javé (Yahweh), tinha dito ao seu povo para não imitar aos povos pagãos:
“Não aprendais o caminho dos gentios.” Jeremias 10:2.

Deus tinha lhes dito outra vez:
“Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles.” Levítico 19:31.

Os escritos Hebreus nos dizem muito objetivamente:
“…os mortos não sabem coisa nenhuma…” Eclesiastes 9:5.

Não podem voltar e assombrar a vida.
“A alma que pecar, essa morrerá.” Ezequiel 18:4.

Depois que Cristo veio, seus discípulos, também foram advertidos quanto a imitarem as religiões pagãs.
“Antes, digo que o que eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.” 1 Coríntios 10:20-21.

Os primeiros discípulos se recusaram a participar dos rituais pagãos realizados para os mortos. Mas algo aconteceu depois que os apóstolos morreram. Enquanto os primeiros discípulos foram mortos ou morreram, os discípulos gentios caíram afastados da verdadeira adoração. Estes apóstatas começaram a fazer exatamente o oposto do que as escrituras diziam. Adotaram os caminhos dos pagãos. O predito afastamento da verdadeira adoração corrompeu a igreja cristã e sobreveio a chamada “Era das Trevas” onde o paganismo disfarçado infiltrou-se nos costumes dos cristãos, e a igreja foi perdendo a sua identidade, mas Deus preservou o seu povo remanescente e fiel. Mat. 7:22,23; II Pe. 2:1; Atos 20:29,30.

A falsa adoração infiltrou-se na cristandade popular através do romanismo
Aproximadamente no ano 100 A.D., o imperador Hadrian construiu um templo para honrar o deus pagão Cybele e outros deuses e divindades romanos. Este templo foi chamado o Pantheon. O Romanos usavam este templo também para honrar seus mortos. Mais tarde, a igreja romana que professava Cristo, tomou conta deste templo. Destruíram suas abominações? Não. Ao invés disto, eles adotaram os caminhos dos romanos pagãos, apenas agora eles usam o templo para rezar para a vigem Maria e outros santos proclamados. Treze de maio foi escolhido como um dia especial de oração para as almas dos santos, que se acreditava estarem sofrendo no “purgatório”. Este dia foi chamado “dia de todos os santos” (all saints day).

Em 834 A.D., a data para esta celebração foi mudada para 1º de novembro. O nome do celebração também foi mudada. É chamada agora de “todos os santos” (all hallow), significando “todo santo” (all holy). “Een” foi adicionado mais tarde como uma contração de “evening” (noite), assim produzindo o termo familiar “halloween”, significando “a noite santa”.

Não foi nenhum acidente a igreja romana ter escolhido a data de 1º de novembro. Como já mencionamos, era nesta data que os druidas da Inglaterra, os nórdicos da Escandinávia, e os alemães pagãos mantiveram seu festival “a noite de todas as almas”. Haviam se tornado “cristãos” no nome, mas aderiram (ou mantiveram) os costumes pagãos. A fim de acomodar esta situação, a igreja romana decidiu apenas adotar os caminhos pagãos e chamá-los de “cristãos”. Às várias divindades para as quais os pagãos rezavam foram dados nomes de santos da igreja. Pensou-se que fazendo isto os costumes pagãos dos povos poderiam ser pronunciados limpos. Entretanto, os povos no geral eram ainda pagãos no coração, ss sentimentos da adoração pagã permaneceram. Foi apenas chamado de “cristão”.

Esta influência pagã tem diminuído em nossos dias? Note isto: “Em muitos países Católicos a crença de que os mortos retornam neste dia é tão forte que é deixado alimento nas mesas (Tirol, Itália) e as pessoas (França, Itália, Alemanha) ainda decoram os túmulos dos mortos” (“Dicionário Padrão de Folclore, Mitologia e Lenda…” Vol. I, pag. 38). A influência destas crenças pode ser vista em praticamente todas as nações por toda a Terra, hoje em dia, quer sejam cristãos professos ou religiões pagãs.

“Atualmente muitas pessoas têm também suas festividades nas quais dão presentes e fazem oferendas aos mortos. No novo ano chinês, você deverá encontrar muitos budistas chineses oferecendo presentes e alimento, roupas e dinheiro, queimando-os aos mortos. Supostamente, estes presentes iriam ajudar os mortos na sua jornada.

No Oriente Médio os festivais da morte incluem reuniões familiares e refeições cerimoniais nos túmulos dos ancestrais.

Mexicanos guardam o dia 2 de novembro como o “dia del muertos” (dia dos mortos) com celebrações em cemitérios, feitas de forma colorida, através do oferecimento de flores, comidas em potes de barro, brinquedos e presentes, além de queimarem velas e incensos.” Nova Enciclopédia dos Temerosos e Gaiatos, Edição 1986 , Vol. 10, pag. 146.

E quanto aos dias de hoje?
Pode uma pessoa que quer agradar a Deus prestar seu tempo e apoio a tal celebração? Pode esta pessoa permitir que suas crianças participem das atividades populares associadas a este festival pagão? Onde está a ênfase deste dia? Está em desenvolver o fruto do Espírito ou intenta em desenvolver um espírito de “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias”, etc.? (Gl. 5:19-23). Esta festa promove o amor do Deus Yahweh e de seu Filho, Jesus, ou demônios, bruxos e uma multidão de outras atividades que são diretamente condenadas pela Bíblia?

O cristão deve atentar com temos às palavras citadas em Apocalipse 18:2-4:

“Caiu, caiu a Grande Babilônia e se tornou morada de demônios covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de toda espécie de ave imunda e detestável. Todas as nações tem bebido do vinho e do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram todos os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram às custas da sua luxúria. Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.”

Frutos do halloween
Os frutos da mentalidade “trick-or-treat” (“travessura ou guloseima” ou “maldição ou oferenda”) tem sido induzir a uma atitude egoísta. A ameaça de uma travessura, a menos que uma oferenda seja recebida remonta a um suborno, a respeito do qual a escritura diz:
“… o suborno corrompe o coração” (Eclesiastes 7:7).
As crianças aprendem que participar de suborno, em certas circunstâncias, é considerado legal e sancionado pelos pais, escolas e igreja populares. A luxúria é oferecida e encorajada a medida que as crianças saem para obter tanto despojo quanto puderem. Inveja e orgulho são colocados a medida que as crianças comparam sua pilhagem, depois de uma noite de suborno.

Mas há outra deturpação: a criança que participa do “trick-or-treat” atualmente faz o papel do espírito, diabo, fantasma, duende, ou morto que deverá voltar para importunar os vivos se não lhe derem o que ele quer. A oferenda feita a estes, diz a Bíblia, estão sendo feitas, na realidade, à demônios (1 Co 10:20).

Outras características e influências da “festa”
Uma das mais notáveis características que temos visto é a ganância, a atitude “eu quero”, que está diretamente em oposição aos princípios Bíblicos (Pv. 15:27).

“Fazei pois morrer a vossa natureza terrena prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno, e a avareza, que é idolatria”. Cl 3:5.

“…os céus que agora existem e a terra tem sido entesourados para o fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios” – 2 Pe 3:7.

“Sabei pois isto: nenhum…avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Deus.” Ef 5:5.

Mas, ainda pior, o costume “trick-or-treat”, atualmente promove violência através da ameaça de uma travessura, se a desejada oferenda não for obtida. Tanto é verdade que uma quantidade muito pequena de crianças, hoje em dia, vão em frente com sua ameaça de “travessura” quando não recebem nada, contudo é impresso em suas mentes que eles estão se impondo a famílias e indivíduos que sentem-se “obrigados” pelo costume a dar a exigência deles, uma “oferenda”. E, por outro lado, muitas crianças que saem para arrecadar doces e guloseimas, pregam peças prejudiciais na época do halloween (Pv. 10:23). Enquanto a maioria destas “peças” são pequenos aborrecimentos, outras freqüentemente consistem em uma ameaça para os alvos individuais destas “travessuras”.

Além disso, o halloween tem mascarado “festas” que dão crescimento a muitos atos de obscenidade, com palavras vulgares e até embriagues e prostituição. O espírito mundano, trabalhando com a carne e com as tentações apresentadas pelo mundo o por satanás, presidem tais eventos, até se estes eventos forem realizados exclusivamente por aqueles que se dizem “cristãos”. Um crente instruído não deve favorecer tais costumes.

O uso de máscaras em tempos antigos foi também para assustar ou tapear os espíritos dos mortos, para que eles não pudessem prejudicar quem as usava. Assim, muitos orientais usavam uma grotesca máscara no dia de ano novo para repelir espíritos demoníacos. Tal indulgência à idolatria não está, certamente, em harmonia com a Palavra de Deus.

Está claro que os frutos produzidos pelo festival do halloween não são as obras do Espírito de Deus, mas as da carne e das trevas (Gl. 5:19-23). O inimigo tem suas estratégias para encontrar uma forma de doutrinar as pessoas a crerem que o certo é errado e o errado é certo.

“Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios escolhidos.” Mateus 24:24.

“Porque tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz.” 2 Coríntios 11:13-14.

“E foi expulso o … diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo…” Apocalipse 12:9.

“Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridão, luz e da luz, escuridão; põe o amargo por doce e o doce por amargo.” Isaías 5:20.

Uma forma usada para atrair as pessoas é através de diversão e prazeres.
“A estultícia dos insensatos é enganadora. Os loucos zombam do pecado…” Pv 14:8,9; 15:21; Is 56:12. O diabo se faz parecer agradável, inofensivo, “um anjo de luz” (2 Co 11:14) e ao mesmo tempo faz do verdadeiro Deus, Javé (Yahweh) e seu Filho, Jesus Cristo, parecerem desmancha-prazeres, opostos a diversão (Gn. 3:4,5) e seus verdadeiros seguidores loucos e fanáticos (Jo 8:44; Pv10:22).
“Ó provai e vede que o Senhor é bom.” Sl 34:8.
“Feliz daquele que guarda as suas prescrições e o busca de todo o coração.” Sl 119:2.

O inimigo de Deus usará pressão, escolas, nossa família e até igrejas populares a fim de manter o povo de Deus percorrendo seus enganosos caminhos. “O tolo posto em grandes alturas…” (Ec 10:6) O verdadeiro povo de Deus deve se opor a satanás e às suas obras, não importa quão inocentemente ele se apresente. “Sujeitai-vos, portanto, a Deus, mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” (Tg 4:7; Ef 4:27; 1 Pe 5:8,9).

E se você for um jovem adorador do Deus vivo, e só agora percebeu que o halloween é uma das obras do demônio? Você estaria disposto a se posicionar contra a pressão dos seus colegas de classe e outros que possam ficar falando para você que é isso é puro divertimento, que não há mal algum nisso, etc.? Você se desviaria da idolatria da gula e exaltação de satanás e dos demônios representados nas máscaras, da “lanterna de jack”, etc.? 1 Jo 5:21; 2 Co 6:16.

Quando a noite de halloween chegar, o que você vai fazer? Você vai se sentar sozinho em casa naquela noite, pensando que você poderia estar com os outros que estão lá fora coletando guloseimas ou participando de uma festa, fantasiado e mascarado? Todavia, você dever controlar seu pensamento. Afugente este tipo de pensamento, fazendo planos para a noite de halloween, assim você estará ocupado fazendo alguma coisa, preferivelmente algo na obra do Senhor (1 Co 3:13).

Seus pensamentos podem deixá-lo feliz ou triste. Você pode pensar que está “perdendo” alguma coisa, ou você pode colocar os princípios bíblicos para trabalharem na sua vida. Isto irá fazê-lo muito mais feliz do que as banalidades do mundo.

“Tudo o que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, se alguma virtude há e se algum louvor existe, nisto pensai.” Isto pode ser difícil, porque é natural querer continuar se comportando e fazendo o que os outros estão fazendo. Mas, não é mais importante pertencer a Deus e a Jesus do que aos amigos do mundo?

“Não tenhas inveja dos homens malignos, nem queiras estar com eles, porque o seu coração maquina violência e os seus lábios falam para o mal.” Provérbios 24:1-2.

O conselho das Escrituras é ainda mais aplicável hoje do que nos dias dos apóstolos: “Andai no amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós, como oferta e sacrifício a Deus em aroma suave. Mas a impudicícia e toda sorte de impurezas ou cobiça nem sequer se nomeie entre vós, como convém a santos; nem conversação torpe, nem palavras vãs, nem chocarrices, coisas essas inconvenientes; antes, pelo contrário, ações de graças. Sabei pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Deus. Ninguém vos engane com palavras vãs porque, por essas coisas, vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais participantes com eles.” Ef 5:2-7.

Por que não tentar ajudar seus amigos a ver a importância de obedecer a Deus, assim como receber a sua graça quando ele executar o julgamento no dia da sua ira? (Sf 2:3; Sl 73:24-28) Partilhe os conhecimentos que agora você tem. Sabemos que isso trará bênção para você e para os outros.

Razões pelas quais os cristãos não devem celebrar o halloween
Muitos em nossa sociedade secular acreditam que o halloween é nada mais que um festival inofensivo que permite que as crianças coletem doces. Mas será mesmo? Como vimos a origem desta mentira está profundamente enraizada no oculto e os cristãos devem se manter longe. Aqui há bons motivos para isso:

– Trinta e um de outubro é, em muitos lugares, conhecido como “o festival da morte”. As tribos celtas e os druidas celebravam este dia como o criador da transformação da vida em morte. Hoje o halloween é, comumente celebrado por adeptos da bruxaria que usam a noite para seus rituais.
– Os bruxos celebram o halloween como “a festa de samhain”, a primeira festa do calendário bruxo. Sendo um festival da morte, halloween é uma época que os feiticeiros tentam se comunicar com os mortos através de diversas rituais e feitiçarias.
– Os cristãos não devem se envolver com práticas ocultistas ou adivinhações. Atente para o mandamento do Senhor contra adivinhações em Deuteronômio 18.
– Os ocultistas crêem que halloween é um período de transição entre a vida e a morte. Alguns ocultistas praticam adivinhação e acreditam que podem aprender os segredos da vida e da sabedoria, deitando-se sobre um túmulo e ouvindo as mensagens do defunto.
– Ocultistas também ensinam que espíritos e fantasmas deixam a sepultura durante a noite e se escondem calorosamente em seus antigos lares. Aldeões, temendo a possibilidade de serem visitados pelas almas dos antigos moradores, fantasiavam-se para amedrontarem os espíritos em seu caminho. Eles também deixavam comida e outras oferendas na estrada. Esta é a real razão pela qual as crianças se vestem com fantasias e vão de porta-em-porta procurando por guloseimas.
– Os ocultistas também tentavam espantar os espíritos esculpindo um rosto assustador numa abóbora-moranga. Esta visão horrorosa moveria o espírito para outro lar ou vila e livraria aquela casa da destruição. Algumas vezes os aldeões acediam uma vela e colocavam junto à abóbora, usando-a como lanterna (daí o nome “lanterna de jack”). Esta é a origem de se esculpir abóboras no halloween.
– Em algumas convenções de bruxaria, o ritual de encerramento incluía espedaçar (catting) uma maçã ou comprometer-se com ritos de fertilidade. Para ele, espedaçar uma maçã é o símbolo de trazer vida. A prática de pendurar (balançar) uma maçã traz duas tradições pagãs: adivinhação e ritual de fertilidade.
– As escolas estão tirando todo significado religioso do Natal (freqüentemente chamado recesso de inverno) e da Páscoa, chamada feriado de primavera. Não é irônico que a maioria das escolas públicas ainda celebram o halloween, apesar de tão ocultas origens?
– Cristãos devem se esquivar do halloween e desenvolver alternativas criativas. As igrejas poderiam por exemplo, celebrar o Dia da Reforma Protestante (também no dia 31 de outubro). Não devemos, como cristãos, apoiar nem promover o halloween.

Extraído e adaptado.

Anúncios

OVELHA OU BODE, o que você tem sido?… BODELHA?

Por Rev. Cleudson Gomes Corrêa

Em nossa caminhada ministerial, por vezes ouvimos reclamações de pessoas quanto aos pastores que nos antecederam, do tipo: “aquele pastor nunca foi pastor para mim ou para minha família”. Numa dessas ocasiões me surgiu a oportunidades de poder perguntar, com muito amor e carinho: “e você, será que foi ovelha para eles”?

Na Bíblia, encontramos menções de ovelhas, carneiros, cordeiros, animais que são conhecidos pela docilidade, dependência de seu pastor, sendo símbolos de mansidão, sujeição, submissão, sendo, o próprio Filho de Deus apresentado como cordeiro.

Encontramos também menção de cabritos e/ou bodes, que por natureza, são traiçoeiros, repentinos, impertinentes, que se alimentam de coisas imundas, não são dados a obediência.

Em Ezequiel 34.17 o Senhor anuncia que fará separação das ovelhas e dos cabritos, bodes, ou seja, dos bons e dos maus. Em Mateus 25.32-33 também vemos a mesma situação, em que O Senhor faz a separação dos cabritos e ovelhas.

Na Igreja encontramos os dois tipos desfrutando do mesmo ambiente, da mesma alimentação, disputando pelo mesmo espaço, contudo, um tem um coração submisso e outro uma natureza rebelde. E a Bíblia nos mostra que quem fará a separação é O Senhor.

Ás vezes fico inclinado a pensar que, por conta do relativismo e a luta pelo direito de igualdade, esteja acontecendo algo estranho no meio do rebanho do Senhor, tal como uma mutação transgênica, surgindo um “novo rebanho” de uma nova espécie com genes de bode e ovelha, que eu, aqui, chamo de “BODELHA”, com comportamentos, hora de bode, hora de ovelha e que por vezes têm desenvolvido características diferentes.

Ficamos assustados quando nos aproximamos das pessoas para cumprir nosso dever cristão de ensinar, exortar, discipular, disciplinar…

E o que é mais grave nisso tudo é que isso tem ensejado o surgimento de “igrejas” e “ministérios” totalmente voltados a atender aos interesses deste “novo rebanho” em detrimento ao dever de fazer a vontade de Deus.

As pessoas parecem não mais se importarem e/ou não acreditarem em conversões genuínas, no mover de Deus, na necessidade de serem novas criaturas, ou seja, ovelhas que ouvem ao pastor da Igreja e, acima de tudo, ao Supremo Pastor.

Existem, até, propostas de releituras relativistas do que é sagrado e o que não o é.

Meus amados irmãos, se verdadeiramente queremos servir o nosso Deus com zelo, seriedade e respeito, temos que voltar para as Escrituras Sagradas em sua inteireza, buscando aprender mais e mais sobre o que é agradável a Deus, caso contrário, o nosso culto não passará de culto de tolos.

Deus promove uma transformação em vidas, fazendo-as novas criaturas, para o louvor de Sua glória e não para a vontade dos homens. Ele não promove mutações transgênicas ele muda todo o ser.

E você, é uma ovelha genuína, uma “BODELHA”, ou é um bode?

 

CUIDE O QUE VOCE DEIXA ENTRAR EM SEU CORAÇÃO

TESTEMUNHA DE JEOVÁ

 

Testemunhas de Jeová – Estudo I

Espera-se que o Senhor tenha uma maneira de se comunicar com o seu povo na terra, e ele tem claramente mostrado que a revista chamada Sentinela é usada para este propósito,”
(1939 Yearbook of Jehovah’s Witnesses, p. 85.).

Eles vêm à nossa porta. Eles oferecem as revistas Despertai! e Sentinela em troca de “donativos.” Eles falam a você sobre as Testemunhas de Jeová e sobre o paraíso na terra. Eles querem que você se junte a eles. Eles são cristãos? Não. Veja aqui no que eles crêem, porque eles não são cristãos, e como você pode responder-lhes.

1. A História das Testemunhas de Jeová

A seita das Testemunhas de Jeová foi fundada por Charles Taze Russell, em 1872. Ele nasceu em 15 de Fevereiro de 1852, e era filho de Joseph L. e Anna Eliza Russell. Ele tinha grande dificuldade de aceitar a doutrina da condenação eterna ao inferno e, em seus estudos, veio a anular não apenas a punição eterna, mas também a Trindade, a deidade de Cristo e o Espírito Santo. Em 1870, com a idade de 18 anos, Russell organizou uma classe bíblica em Pittsburgh. Em 1879, ele procurou popularizar as suas idéias e doutrinas aberrantes. Ele co-publicou a revista “The Herald of the Morning” com seu fundador, N. H. Barbour e, em 1884, Russell tomou o controle da publicação dando-lhe o novo nome de “The Watchtower Announcing Jehovah’s Kingdom” (A Sentinela Anuncia o Reino de Jeová), e fundou a “Zion’s Watch Tower Tract Society”, agora conhecida como “Watch Tower Bible and Tract Society”, Sociedade Bíblica Torre de Vigia. A primeira edição da revista Sentinela tinha somente 6.000 cópias por mês. Hoje o complexo publicitário das Testemunhas, no Brooklyn, Nova York, imprime mais 100.000 livros e 800.000 cópias de duas revistas — diariamente!

Russell alegava que a Bíblia só seria corretamente entendida de acordo com as suas interpretações. Era um perigoso arranjo, já que era ele quem controlava o que era escrito na revista Sentinela.

Depois da morte de Russel, em 31 Outubro de 1916, um advogado do Missouri chamado Joseph Franklin Rutherford recebeu o controle da Sociedade Torre de Vigia que era conhecida, então, como Associação Bíblica Dawn. Em 1931, ele mudou o nome da organização para “As Testemunhas de Jeová.”

Depois da morte de Rutherford controlaram a Sociedade Nathan Knorr e Frederick William Franz, como presidentes.

Hoje, a Sociedade é liderada por Mr. Henschel. O grupo tem mais de 4 milhões de membros em todo o mundo. As estatísticas da Sociedade Torres de Vigia indicam que 740 casas são solicitadas para recrutar cada um dos quase 200.000 novos membros que se juntam cada ano.

As TJ´s tem diversos ‘livros de estudos’ semanais. Os membros não são obrigados a participar, mas existe um nível de expectativa que suavemente leva os convertidos a participarem. É durante estes ‘livros de estudos’ que a TJ é constantemente exposta aos ensinos anti-cristãos. Uma TJ mediana, com a sua constante doutrinação pela Torre de Vigia, pode, facilmente ‘surrar’ um cristão mediano quando estes vêm defender suas crenças.

As TJ afirmam veementemente que a doutrina da Trindade é de origem pagã e que a cristandade, com um todo, está envolvida na mentira do diabo. Concomitantemente, com a anulação da Trindade é, da mesma maneira, ferrenhamente combatida a deidade de Cristo, a deidade do Espírito Santo, a realidade do inferno e a punição eterna.

2. Testemunhas de Jeová é uma Seita Não-Cristã

Como todas as seitas, a organização das TJ distorcem as doutrinas essenciais do Cristianismo. Ela nega a divindade de Cristo, a ressurreição física e a salvação pela graça. Para sustentar as suas doutrinas errôneas, a organização Torre de Vigia (que é a autora e mentora de toda teologia oficial das TJ) vem alterando a Bíblia para fazer com que ela diga o que eles querem. Tipicamente, os cultos que usam a Bíblia para embasar suas posições caem em alguns erros de interpretação:

· Tirar os versículos e passagens de seu contexto imediato.

· Recusar-se a ler as passagens dentro do contexto bíblico completo.

· Inserir as suas pressuposições teológicas no texto.

· Alterar o texto bíblico para suprir as suas necessidades.

· Basear-se em um verso para interpretar um conjunto de outros.

· Trocar os significados das palavras.

· Proclamar que algumas passagens têm sentido figurado quando elas contradizem as suas doutrinas.

· Adicionar coisas à Palavra de Deus.

Adicionalmente, as seitas exigem de seus membros a freqüência regular aos seus “estudos bíblicos” semanais onde são repetidamente doutrinados com ensinos anti-cristãos. Eles fazem isso por meio da leitura das revistas Sentinela e Despertai!, que basicamente, mantém seus pensamentos cativos às doutrinas deles. Eles ensinam que serão perseguidos quando forem de porta em porta ensinar as suas falsas doutrinas e que, quando alguém os contrariar ou divergir deles, eles serão justificados por serem TJ. Eles dizem que são a única organização verdadeira na terra (assim como todas as seitas afirmam!). Eles são fortemente encorajados a ter apenas amigos e fazer negócios com pessoas dentro da organização, o que mantém as pessoas e idéias longe do exame externo. Eles ensinam a evitar aqueles que deixaram o seu grupo, mantendo assim, o outros afastados para que não questionem o porquê da sua saída. Eles são geralmente paranóicos, como eu pude testemunhar em uma sala de chat (IRC) onde, depois de fazer uma pergunta a respeito de um texto bíblico, fui banido. Subseqüentemente, meu nome foi passado para todas as outras salas de TJ, de onde eu fui banido da mesma maneira. Aparentemente, o exame das suas doutrinas não é permitido.

Primariamente, a organização das TJ é uma seita porque ela viola as três doutrinas essenciais do Cristianismo. A Bíblia diz que Jesus é Deus em carne, que jesus ressuscitou da morte no mesmo corpo em que Ele morreu e que a salvação é pela graça mediante a fé. O organização Torre de Vigia contraria todas as três.

A organização Torre de Vigia é uma seita não-cristã que usa o seu povo para proclamar suas falsas doutrinas, vender uma imensidão de literatura, e expandir suas garras nas vidas de seus seus membros e das suas famílias.

Doutrinas das Testemunhas de Jeová

Sua igreja é auto-proclamada profeta de Deus, The Watchtower, April 1, 1972, p. 197.

Eles alegam ser o único caminho para o Deus verdadeiro, The Watchtower, Feb. 15, 1981, p. 19.

O Espírito Santo é uma força ativa impessoal de Deus, The Watchtower, June 1, 1952, p. 24.

Somente os membros da sua igreja serão salvos, The Watchtower, Feb, 15, 1979, p. 30.

Jesus foi um anjo que se tornou um homem, The Watchtower, May 15, 1963, p. 307.

Jesus foi o único homem perfeito, mas não Deus em carne, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 306.

Jesus não voltou da morte em seu corpo físico, Awake! July 22, 1973, p. 4.

Jesus foi ressucitado “não como criatura humana, mas um espírito.” Let God be True, p. 276.

Jesus não morreu em uma cruz mas em um poste, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 89-90.

Jesus returnou à terra, invisivelmente, em 1914, The Truth Shall Make You Free, p. 300.

A Trindade não existe, Let God be True, p. 101-100.

O Espírito Santo é uma força, não viva, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 406-407.

Boas obras são necessárias para a salvação, Studies in the Scriptures, Vol. 1, pp. 150, 152.

A alma cessa sua existência na morte, Let God be True, p. 59, 60, 67.

Não existe inferno de fogo onde os condenados serão punidos, Let God be True, p. 79, 80.

Somente 144.000 Testemunhas de Jeová irão para o céu, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 166-167, 361; Let God be True, p. 121.

Transfusão de sangue é pecado, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 72-73.

A cruz é um símbolo pagão e não deve ser usada, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 90-92.

A salvação é pela fé e pelo que você fizer, Studies in the Scriptures, Vol. 1, p. 150,152.

É possível perder a sua salvação, Reasoning from the Scriptures, 1985, pp. 358-359.

Eles também rejeitam o voto, saudar a bandeira, cantar os hinos nacionais ou celebrar o Natal e aniversários. Também recusam-se a servir às forças armadas.

The Watchtower – A Sentinela; Awake! – Despertai!

3. Traduções Errôneas da Bíblia das Testemunhas de Jeová

Esta lista é apenas representativa. Ela não esgota este assunto.

Colossenses 1:15-17 “Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda criação;
pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.
Ele é antes de todas as coisas. Nele tudo subsiste”

A palavra “outro” é inserida 4 vezes. Isto não está no original grego e nem está implícito. Esta é uma seção onde Jesus é descrito como o criador de todas as coisas. Desde que a organização da T.J. acredita que Jesus é um ser criado eles inseriram a palavra “outro” para mostrar que Jesus era ates de tudo “outras” coisas, implicando que Ele também fosse um ser criado.

Existem duas palavras, no Grego, traduzidas como “outro”: heteros e allos. O primeiro significa outro de uma coisa iferente, ou seja, de natureza diferente. O segundo significa outra coisa da mesma natureza ou do mesmo tipo. Nenhum dos dois é usado nesta seção da Escritura. As T.J. mudaram a Bíblia para torná-la adequada à sua teologia aberrante.

João 1:1 “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”

Eles traduziram erradamente este versículo como “um deus”. Novamente, isto é porque eles negam quem Jesus é e devem mudar a Bíblia para que ela se torne adequada à sua teologia. A versão das T.J. está assim:
“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era um Deus.”

Hebreus 1:6 “ E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz:
E todos os anjos de Deus o adorem.”

Neste verso eles traduziram a palavra Grega para adoração, proskuneo, como “reverência.” Reverência é uma palavra que significa honra, mostra respeito, até curvar-se diante de alguém. Já que, para eles, Jesus é um ser criado, então ele não pode ser adorado. Eles triveram de fazer isto em outros versículos a respeito de Jesus: Mt 2:2,11; 14:33; 28:9.

Hebreus 1:8 – “mas acerca do filho:
O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e Cetro de equidade é o cetro do teu reino”

Este é um versículo onde Deus Pai, está chamando Jesus de Deus: “Mas do Filho diz: O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos, e cetro de eqüidade é o cetro do teu reino.'” Já que as T.J. não concordam com isso, de novo, eles alteraram a Bíblia para que ela se adequasse à sua teologia. Eles traduziram o verso como: “…Deus está no seu trono …” O problema com a tradução das T.J. é que esta passagem é uma citação do Salmo 45:6 que, no Hebraico, só pode ser traduzido como “…O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos …” Para justificar a tradução do N.T eles atualmente também trocaram a tradução do Antigo Testamento!

A Tradução do Novo Mundo é horrível. Ela mudou o texto para se adequar à sua própria teologia em muitos lugares. Mas antes que você pense que estou apenas mencionando o que outros disseram, eu estudei Grego bíblico por 4 1/2 na Faculdade e no Seminário. Adicionalmente, eu tive 1 1/2 ano de Hebraico bíblico. Eu sei, por exame, que a Tradução do Novo Mundo é corrompida pela visão não-cristã e não-bíblica da sociedade.

4. As Falsas Profecias das Testemunhas de Jeová

As Testemunhas fazem muitas afirmações na tentativa de converter você para a fé deles. Eles dizem ser a única igreja cristã verdadeira, ser os únicos representantes de Deus, ter o único ensino bíblico correto e de serem os únicos verdadeiros anunciadores do reino vindouro de Jeová.

Se eles fossem a única igreja verdadeira e a única voz verdadeira da palavra de Deus então o que eles dizem deveria ser comprovadamente verdade, especialmente em se tratando de profecias. Quanto a predizer o futuro, a organização Torre de Vigia falha miseravelmente. A seguir estão algumas das falsas predições feitas através dos anos pela organização Torre de Vigia. Se você apresentar isto a uma T.J., ele provavelmente dirá alguma coisa como: “Aquilo foi tomado fora do contexto”, ou “Eles não disseram que eram profetas de Deus”, ou ainda, “A está mais brilhante e agora nós compreendemos melhor as profecias bíblicas”, etc. Faça uma cópia destas falsas profecias e dê a eles para que verifiquem.

Lembre-se de Deut. 18:22: “Quando o profeta falar em nome do Senhor e tal palavra não se cumprir, nem suceder assim, esta é a palavra que o Senhor não falou; com presunção a falou o profeta; não o temerás.” Se alguém faz uma falsa profecia e diz que vem de Deus, então ele é um falso profeta e nós não devemos dar ouvidos a ele.

As Testemunhas de Jeová declararam que são profetas de Deus? Sim.

Em 1972, a revista Sentinela afirmou que as Testemunhas de Jeová são profetas de Deus.

IDENTIFICANDO O “PROFETA” — “Jeová tem um profeta para ajudá-los, para adverti-los dos perigos e para declarar as coisas por vir? Estas questões podem ser repondidas afirmativamente. Quem é este profeta? … Este “profeta” não era um homem, mas era um corpo de homens e mulheres. Era um pequeno grupo de seguidores de Jesus Cristo, conhecidos naquele tempo como International Bible Students. Hoje eles são conhecidos como Testemunhas Cristãs de Jeová … Certamente, é fácil dizer que este grupo atua como um ‘profeta’ de Deus.” The Watchtower, 4/1/72 (Veja Deut. 18:21)

1899 “…a ‘batalha do grande dia do Deus Todo-poderoso’ (Ap 16:14), que terminará em 1914 com a comleta ruína do atual estado da tera já começou.” The Time Is at Hand, page 101 (1908 edition).

1897 “Nosso Senhor, o Rei indicado, está agora presente, desde outubro de 1874,” Studies in the Scriptures, Vol. 4, page 621.

1916 “A cronologia bíblica aqui apresentada mostra que seis grandes dias de 1000 anos, começando em Adão, estão terminando e o grande sétimo dia, o reino de 1000 anos de Cristo, começou em 1873.” The Time Is at Hand, page ii, (forward).

1918 “Entretanto, nós podemos, confiadamente, esperar que 1925 será marcado pelo retorno de Abraão, Isaque, Jacó e dos profetas, particularmente daqueles nomeados pelo apóstolo em Hebreus 11, para a condição de perfeição humana.” Millions Now Living Will Never Die, page 89.

1922 “A data 1925 é mais distintamente indicada nas escrituras que a de 1914.” The Watchtower 9/1/22, page 262.

1923 “Nosso pensamento é que 1925 está definidamente indicado pelas escrituras. Assim como Noé, o cristão de hoje tem muito mais em que basear a sua fé do que Noé tinha para basear a sua fé no dilúvio vindouro.” The Watchtower, PAGE 106 4/1/23.

1925 “O ano de 1925 chegou. Com grande expectativa cristãos tem esperado por este ano. Muitos estão confiantemente esperando que todos os membros do corpo de Cristo sejam transformados para a glória celestial durante este ano. Isto pode acontecer ou não. No Seu devido tempo Deus irá cumprir seus propósitos concernentes ao Seu povo. Os cristãos não deveriam estar, estão, ansiosos acerca do que pode acontecer este ano.” The Watchtower, 1/1/25, page. 3.

1925 “Era esperado que Satanás tentaria injetar nas mentes dos santos, o pensamento que em 1925 deveriam ver o fim da obra.” The Watchtower, Sept, 1925 page 262.

1926 “Alguns anteciparam que esta obra terminaria em 1925, mas o Senhor não estabeleceu isto. A dificuldade é o amigos insuflaram suas imaginações além da razão; e que quando as suas imaginações estouraram em pedaços, eles estavam inclinados a aceitar qualquer coisa.” The Watchtower, page 232.

1931 “Existe uma medida de desapontamento da parte daqueles que crêem em Jeová a respeito dos anos de 1917, 1918 e 1925 … e els também aprenderam a parar de fixar datas.” Vindication, page 338.

1941 “Recebendo o presente, a crianças marchando unidas umas às outras, não por um brinquedo ou por um tempo de diversão, mas o instrumento levantado por Deus para a obra mais efetiva nos meses que restam antes do Armageddon.” The Watchtower, 9/15/41, page 288.

1968 “Verdade, existiu, no passado, quem predissesse o ‘fim do mundo’, inclusive especificando uma data. Nada ainda aconteceu. O ‘fim’ ainda não veio. Eles são culpados de falsas profecias. Por quê? O que estava faltando? … Estava faltando aquele povo a quem Deus dirige e evidencia que os está guiando e usando.” Awake, 10/8/68.

1968 “Porque você está olhando para 1975?” The Watchtower, 8/15/68, page 494.

Uma T.J. poderá dizer que a organização ainda está aprendendo. Se é assim, quanto eles podem confiar naquilo que eles estão aprendendo agora da Sociedade? O que eles estão aprendendo agora não irá mudar depois? Um verdadeiro profeta de Deus não erra uma profecia. Somente um falso profeta erra. A organização das Testemunhas de Jeová, que proclama ser profeta de Deus, é na realidade um falso profeta. Jesus avisou-nos a respeito, dizendo: “porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” (Mt 24:24).

The Watchtower = Sentinela

Você Segue o Verdadeiro Jesus?

Existe uma maneira simples para saber se alguém tem o verdadeiro Jesus ou não. Por verdadeiro Jesus, eu quero dizer aquele da Bíblia, não aquele um do Mormonismo que é irmão do diabo, nem o Jesus das Testemunhas de Jeová que é o arcanjo Miguel, e, certamente, nem aquele da Nova Era que é simplesmente um homem dotado de uma consciência divina.

Nós podemos orar e conversar com o Jesus da Bíblia (At 7:55-60; e Zc 13:9 com 1 Co 1:1-2). O Jesus da Bíblia é adorado (Mt 2:2,11;Mt 14:33;Mt 28:9; Jo 9:35-38; Hb 1:6). O Jesus da Bíblia é chamado de Deus (Jo 20:28; Hb 1:8).

Na teologia das seitas, Jesus é uma criação de uma forma ou de outra (é por isso que as Testemunhas de Jeová adicionaram a palavra ‘outro’ quatro vezes em Cl 1:16-17). Além disso, não se ora a Ele, não o adoram e não o chamam de Deus.

Se você é um cristão então tem o privilégio de poder orar a Jesus, e não somente por intermédio dele. Você pode adorá-lo juntamente com o Pai. E você pode chamá-lo de seu Senhor e Deus. Um membro de uma seita não pode fazer isso. Um membro de uma seita tem um falso Jesus, e portanto, uma falsa esperança de salvação.

O texto a seguir é uma expansão dos pontos acima.

Se você coloca a sua fé em um Jesus que não é o verdadeiro, então a sua fé é inútil. O poder da fé não reside no ato da crença, mas no seu objeto; uma grande fé em alguma coisa falsa é o mesmo que fé em nada. Sinceridade e falsos messias não constroem pontes sobre o abismo de pecados entre Deus e o homem; somente o Jesus da Bíblia faz isto. Quem, então, é o verdadeiro Jesus?

Jesus disse que ele era o único que revelava o Pai (Mt 11:27 e Lc 10:22): “Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém sabe que é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém sabe que é o Pai, a não ser o Filho e aqueles a quem o filho o quiser revelar.” (NVI). Então, para conhecer o verdadeiro Pai você deve primeiro conhecer o verdadeiro Jesus. A questão é: como você faz para reconhecer o verdadeiro Jesus? Simples, olhe na Bíblia.

Se você disser: “Pai, recebe o meu espírito,” a quem você está orando? Ao Pai, certo?Se você disser: “Jesus, recebe o meu espírito,” a quem você está orando? Jesus.Em Atos 7:59, Estevão, enquanto cheio do Espírito Santo (v. 55), orou a Jesus:

Enquanto apedrejavam Estevão, este orava: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito.” (Veja também At 9:14; Rm 10:13.)

Estevão orou a Jesus, e não somente por meio dEle. Se isto era aceitável para ele então deveria ser aceitável para você também. Podemos orar ao Jesus da Bíblia. Eu oro a Jesus. Você ora? Se sim, muito bom. Se não, por quê?

Mas, você pode dizer, “Jesus disse para orarmos ao Pai.” Eu sei. Mas eu também oro a Jesus como Estevão fez. Se é para a igreja orar somente ao Pai então porque Estevão, debaixo da inspiração do Espírito Santo. dirigiu a sua oração a Jesus? Ele estava errado? Veja também 1 Co 1:1-2 com Zc 13:9 onde invocar o nome do Senhor é oração e a oração é dirigida a Jesus pela igreja de Coríntios.

Jesus também era adorado. Os versículos são:E os que estavam no barco o adoraram, dizendo: Verdadeiramente é Filho de Deus! (Mt 14:33)E eis que Jesus veio ao encontro delas e disse: Salve! E elas, aproximando-se, abraçaram-lhe os pés e o doraram (Mt 28:9). Veja também Mt 2:2,11; Jo 9:35-39; Hb 1:6.

Ao Jesus da Bíblia se ora e adora. Você faz o que os discípulos de Jesus faziam? Você ora e adora ao verdadeiro Jesus?Desde que é contrário às teologias dos Mórmos e Testemunhas de Jeová orar a Jesus, mas somente através dele, se você adorar a Jesus, como poderá fazer isso sem orar a Ele? E você honra o Filho da mesma maneira que honra o Pai como Jesus disse em Jo 5:23? Se você não faz, por quê?

Só mais uma questão a analisar. Você chama a Jesus de seu Senhor e Deus?Depois da ressurreição de Jesus, Ele apresentou-se a muitas pessoas. Uma delas foi Tomé. Jo 20:28:

Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu.

Deus chamou Jesus de Deus em Hb 1:8:

mas acerca do Filho: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre …”

Infelizmente, na Bíblia das Testemunhas de Jeová em Hebreus 1:8 você verá que ela diz: “Deus está no seu trono, para sempre.” Isto, tecnicamente, falando, é uma tradução válida. A razão disso está baseada na natureza da língua grega e no fato que as formas das palavras “Deus” e “trono” terminam em uma construção substantiva que é intercambiável, tornando a tradução das TJ válida … se não fosse por uma detalhe: Hebreus 1:8 é uma citação do Salmo 45:6 que diz, “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre.” Em Hebreus, o precedente é a única maneira pela qual a tradução poderia ser correta e não há meios de fazer isso no Salmo 45:6 na tradução das TJ. A tradução está simplesmente ERRADA! Isto foi astu ciosamente mal traduzido para dar validade à teologia das Testemunhas de Jeová. Não existe nenhuma variante nem outros manuscritos que contenham algo diferente. O fato é que o Salmo 45:6 só pode ser traduzido como: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre.” Sendo assim, a tradução correta de Hb 1:8 deve ser idêntica; mas não o é na versão da Torre de Vigia. Isto é uma grande injustiça para com a Palavra de Deus e prova a sua desonestidade.

Conclusão:

Podemos orar ao Jesus da Bíblia (At 7:59; 1 Co 1:1-2 com Zc 13:9 / Sl 116:4; Jo 14:14), pode ser adorado (Mt 2:2,11; Mt 14:33; Mt 28:9; Jo 9:35-38; Hb 1:6), e ser chamado de Senhor Deus (Jo 20:28; Hb 1:8). Se eu tenho o

Jesus errado e, portanto, sirvo ao Deus errado, por que eu oraria a Jesus, o adoraria ou o chamaria de Deus e Senhor, como as Escrituras ensinam? Mas, se você tem o verdadeiro Jesus, por que você não faz estas coisas?

Por que a teologia das Testemunhas de Jeová não concorda com as Escrituras? Eu penso que a resposta é simples. O Jesus das seitas não é o verdadeiro Jesus. Portanto, eles estão errados.

Minha fonte:
www.webiblico.hpg.ig.com.br

ICHTUS – Edificando o Povo de Deus na Palavra de Deus
Copyright by Matthew J. Slick. 1998. All rights reserved.
CHRISTIAN APOLOGETICS AND RESEARCH MINISTRY
Tradução de Vinicios Torres
Site www.ichtus.com.br

***Esse estudo pode ser repassado***

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

Testemunhas de Jeová – Estudo II

INTRODUÇÃO:

Não existe uma pessoa sequer no mundo que tenha se tornado Testemunha de Jeová só pela leitura Bíblica. Todas foram induzidas a esse erro. O que eles chamam de “Estudo Bíblico” é na verdade o estudo de A SENTINELA e outras publicações da sociedade Torre de Vigia.

1. HISTÓRIA

1.1. ORIGEM:

Charles Taze Russell, o fundador do russellismo, nasceu em 1852 nos estados unidos. Seus pais eram presbiterianos. Russell pertenceu à Igreja Congregacional e a seguir, à Igreja Adventista. Em 1874, fundou formalmente o movimento russelita. Em 1879,começou a publicação do período “Torre de Vigia de Sião”, hoje chamada “A Sentinela”.

O Sucessor de Russell, Joseph Rutherford, efetuou 148 alterações doutrinárias no seu sistema de crença da seita. Publicou a obra póstuma de Russell, intitulada “O Mistério Consumado”, e o sétimo volume de “Estudos das Escrituras”, como meio de consolidar em torno de si o domínio e o controle da organização.

1.2. NO BRASIL:

Eles começaram no Brasil em 1920, sua sede nacional permaneceu em São Paulo, capital, até 1980. Atualmente a sua sede nacional fica em Cesário Lange, interior de São Paulo.

2. FALSAS PROFECIAS

2.1. RUSSELL:

Profetizou que a batalha do Armagedom, ocorreria em 1914. Neste ano, segundo ele, dar-se-ia também a vinda de Cristo. Mas na referida data, nada aconteceu. Depois ele mesmo refez o cálculo, e estabeleceu o ano de 1914 e depois o de 1918. Como das vezes anteriores, nada aconteceu. Ele veio a falecer em 1916.

Russell profetizou até que 1914 viria um tempo de tribulação tal qual nunca houve desde que há nação para que fosse estabelecido o Reino de Deus. Os judeus seriam restaurados, os reinados gentios seriam quebrantados em pedaços como um vaso do oleiro, e os reinos deste mundo passariam para o nosso Senhor e para seu Cristo. Nada absolutamente se cumpriu.

2.2. RUTHERFORD:

Também refez o cálculo, e estabeleceu o ano de 1925 como o início do milênio. Isso também não se cumpriu.

2.3. KNORR e FRANZ:

Em 1946, a organização lançou um livro “A verdade vos tornara Livres”, contendo a base da profecia do Armagedom para 1975. Muitos venderam propriedades, outros abandonaram carreiras profissionais. Nada aconteceu.

3. BÍBLIA

Dizem que ninguém pode interpretar a Bíblia sem a revista “A SENTINELA”. Não reconhecem qualquer outra versão da Bíblia, além da sua versão deturpada chamada, “Tradução Novo Mundo”. Muitos testemunhas de Jeová adquirem outras versões da Bíblia, simplesmente porque se interessam por alguns versículos para o seu trabalho de proselitismo, dando assim a impressão de que conhecem outras versões.

A TRADUÇÃO NOVO MUNDO: foi preparada para contrabandear as crenças pré-fabricadas da Torre de Vigia para o texto das Escrituras. É uma obra multilada, tendenciosa, viciada e cheia de interpolações. Traduziram Jo 1.1 por; “E a palavra era [um] deus”. Disse o Dr. Bruce M. Metzger, da Universidade de Princeton (prof. de Línguas e Literatura Novo Mundo): “tradução horripilante… errônea… perniciosa… repreensível”. Se os Testemunhas de Jeová levam essa tradução a sério, eles são Politeístas.

4. DOUTRINA

4.1. DEUS:

O Deus dos Testemunhas de Jeová não sabe todas as coisas. Dizem que ele não sabia qual seria o resultado da prova de Abraão, em Gn. 22:12; e também desconhecia que se passava na terra, no caso de Gn. 18:20-21, dizem que o verdadeiro Deus não é onipresente.

Mas a Bíblia nos ensina que Deus enche todo o universo (1 Rs. 8:27; Jr. 23:23-24) e sabe todas as coisas (Dn. 2:20-22). O Deus deles, portanto, não é o mesmo Deus da Bíblia; Porque o Deus que está descrito na Bíblia, é ONIPRESENTE, ONIPOTENTE, ONISCIENTE.

4.2. TRINDADE:

Dizem que a trindade é uma doutrina pagã, desenvolvida por Constantino, imperador de Roma, no Sec. IV, o que não é verdade. Quando Constantino veio ao mundo; a doutrina da Trindade já estava no registro bíblico desde os primeiros capítulos de Gênesis.

4.3. O SENHOR JESUS CRISTO:

O Jesus dos Testemunhas de Jeová não é o mesmo da Bíblia. O Apóstolo Paulo adverte os Cristãos, prevenindo desse “outro Jesus” (2 Co. 11:4). Dizem que Jesus é igual à Satanás. O Jesus da Bíblia porém, é igual ao Pai (Jo. 5:18; 14:9). Afirmam que Jesus é o destruidor, o Abadom de Apocalipse 9:11; O Jesus da Bíblia todavia é o Criador de Todas as Coisas (Jo. 1:3; Cl. 1:16). Ensinam que Jesus tornou-se Cristo por ocasião de seu batismo; O Jesus da Bíblia, contudo, nasceu Cristo (Lc. 2:11), pregam que Jesus de Nazaré não existe, mas a Bíblia diz que “Jesus, o nazareno” é vivo (At. 2:22; 36). Já ensinaram que Miguel não era Jesus, agora dizem que Jesus é Miguel. A Bíblia afirma que Jesus é Criador e Miguel é a Criatura (Cl. 1:16-18, Hb. 1:5); dizem que Jesus é um deusinho, a Palavra de Deus, porém, declara que ele é um Deus verdadeiro (1 Jo. 5:20).

JESUS DEVE SER ADORADO?

Ensinaram que Jesus foi adorado quando esteve na terra e que devia continuar sendo adorado. Isso foi mudado desde a data 1954, quando publicaram a proibição desta adoração. A primeira edição da Tradução Novo Mundo traz Hebreus 1:6 da seguinte forma: “E todos os anjos de Deus o adorem”. Essa passagem era um problema para a organização. Como eles mudaram mais uma vez a sua Crença, proibindo a adoração à Jesus, na Edição Tradução do Novo Mundo, revisada em 1984, mudaram o sentido da mensagem para: “prestar homenagem”. É verdade que todas as sociedades Bíblicas têm missões para manter sempre atualidade da linguagem, sem, contudo, mudar a mensagem. Eles entretanto, mudaram suas crenças, agora também mudam as escrituras.

4.4. ESPÍRITO SANTO:

Os Testemunhas de Jeová ensinam que o Espírito Santo é a força ativa e impessoal de Deus, negando tanto a sua personalidade com a sua divindade. A Bíblia, porém, revela o Espírito Santo como uma pessoa, a terceira Pessoa da Trindade, pois ele é Deus, “…na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito” (2 Co. 3:18). O Espírito Santo possui intelecto; Ele penetra tidas as coisas (1 Co. 2:10,11) e é inteligente (Rm 8:27). Ele tem emoção, sensibilidade (Rm. 15:30; Ef. 4:30) e vontade (At. 16:6-11; 1 Co. 12:11). As três faculdades: intelecto, emoção e vontade, caracterizam PERSONALIDADE.

4.5. SALVAÇÃO:

Ensinam que a salvação depende de se pertencer à sociedade Torre de Vigia e estudar seu manual ingresso, o livro “conhecimento conduz à vida eterna”. Jesus no entanto, afirma: “Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (Jo. 14:6) Eles ensinam que a salvação é algo ainda a ser cumprido, mas a SALVAÇÃO é algo presente e logo, como fala em Jo. 5:24).

4.6. O INFERNO:

Os Testemunhas de Jeová, negam a existência do inferno ardente, porque Russell antes mesmo de fundar seu movimento, pessoalmente não concordava com tal crença. Ele já estava decidido a não aceitar a crença do inferno de fogo, insto com base em seu sistema de lógica e no seu próprio raciocínio carnal. É a razão de Russell contra as verdades Bíblicas.

4.7. O CÉU:

Crêem que em 1935 Jeová colocou uma Placa no Céu, dizendo: “Não há vagas”. Rutherford, sucessor de Russell, inventou essa doutrina em 1935, dividindo o rebanho em duas classes: “a dos ungidos” que são apenas 144.000 membros, que representam os autênticos fiéis desde a fundação da igreja em 1935. Somente estes, segundo eles, vão para o céu. Os demais são da Classe “grande multidão”, que de acordo com o seu ensino, vão herdar a terra. Dizem os membros dessa última classe que não são filhos de Deus e nem pertencem a Cristo. Trabalham de casa em casa convidando o povo para religião que ensinam que nem mesmo seus adeptos são filhos de Deus e nem pertencem a Cristo. A Bíblia diz que há um só rebanho (Jo. 10:16; Ed.2:11-18) o Céu é para todos os que crerem (Jo. 14:1-4) e que todos os cristãos autênticos são Filhos de Deus (Jo 1:12; 1 Jo. 3:1-3).

5. DOUTRINA DA TRINDADE E O “EU SOU”

Vários textos na “Bíblia” da Sociedade Torre de Vigia foram adulterados, a fim de fundamentar heresias. Um deles se encontra em João 8:58, texto o qual identifica Jesus como Jeová. Veja abaixo, como o versículo se encontra na Bíblia Sagrada, e como ele foi distorcido na Tradução do Novo Mundo:

Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU. João 8:58 (Almeida Revista e Atualizada)

Jesus disse-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: Antes de Abraão vir à existência eu tenho sido. João 8:58 (TNM)

Mas por que há esta diferença? É por que João 8:58 identifica Jesus como Jeová, o Grande Eu Sou, que apareceu a Moisés:

“E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel:

EU SOU me enviou a vós.” Êxodo 3:14

Sendo assim, se a Sociedade Torre de Vigia assume que Jesus é o EU SOU do Antigo Testamento, tem de assumir a doutrina da Trindade. Como a Bíblia não sustenta a religião do Corpo Governante, este tem de modificar sua “Bíblia”. Antes de começarmos uma exegese destes textos, veremos o que a “organização de Deus” diz para se defender.

“A expressão em João 8:58 é muito diferente daquela usada em Êxodo 3:14. Jesus não a usou como nome ou título, mas sim como maneira de explicar a sua existência pré-humana. Assim, note como outras traduções bíblicas vertem João 8:58: …” Deve-se Crer na Trindade? p. 26

Neste ponto, a brochura cita algumas traduções que apóiam suas doutrinas. Como é de praxe, a Sociedade Torre de Vigia sempre cita obras quando estas apóiam suas doutrinas; porém quando não é assim, as obras são consideradas “lixo”.

Mas o ponto ao qual quero chegar, é que a brochura afirma que “a expressão em João 8:58 é muito diferente daquela usada em Êxodo 3:14”. Verificaremos por que isso é uma mentira, com base nos seguintes dados:

Tanto Jesus, como Paulo, o autor de Hebreus, e os demais, sempre faziam suas citações usando a Septuaginta, e com isto a própria Sociedade Torre de Vigia concorda (A Sentinela de 15/09/1998, p. 30). A Septuaginta, é a tradução para o grego dos livros do Antigo Testamento (escritos originalmente em hebraico). O fato de Jesus, Paulo, etc. fazerem uso da Septuaginta, indica que esta era de grande circulação, e também que todos conheciam o seu texto. Da mesma forma, o grego era a língua em que se deu o diálogo entre Jesus e os Judeus, descrita nesta passagem. Tendo isso como base, verificaremos o texto de Êxodo 3:14 na Septuaginta, e o compararemos com o texto grego de João 8:58.

kai eipen o Theos pros Mousen ego eimi o on. Kai eipen Outos ereis tois uiois Israel

O on apestalken me pros umas.

(Ex 3:14 – Septuaginta)

eipen autois Iesous, Amen amen lego umin, prin Abraam genestai ego eimi.

(Jo 8:58 – Novo Testamento Grego)

Veja que tanto na Septuaginta, como no N.T. Grego, aparecem as palavras EGO EIMI, as quais significam “EU SOU”. Desta forma, podemos ver claramente que quando Jesus disse “ego eimi”, os Judeus logo ligaram com o “ego eimi” do Antigo Testamento. A STV pode adulterar o texto da forma que quiser, mas não poderá negar a verdade de que a mesmíssima expressão (EGO EIMI) aparece tanto em João, como em Êxodo.

Outra prova incontestável de que os Judeus entenderam que Jesus se auto-identificou como sendo o EU SOU do Antigo Testamento, é a seguinte: há cinco razões que podem condenar uma pessoa à morte por apedrejamento, segundo a Lei:

1) – invocação de mortos (Lv 20:27)

2) – blasfêmia (Lv 24:10-13)

3) – falsa profecia (Dt 13:5-10)

4) – filhos rebeldes (Dt 21:8-21)

5) – adultério / estúpro (Lv 20:10; Dt 22:22-24)

Veja que os Judeus ajuntaram pedras para apedrejar a Jesus (Jo 8:59). Qual dos motivos acima citados Jesus estava se enquadrando, segundo a visão deles, para ser sentenciado? É claro que é por blasfêmia (veja Jo 10:30-33):

“Eu e o Pai somos um. Os judeus pegaram então outra vez em pedras para o apedrejar. Respondeu-lhes Jesus: Tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu Pai; por qual destas obras me apedrejais? Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.”

Os Judeus entenderam claramente o que Jesus quis dizer com “EU SOU”, pois por isso, por Jesus afirmar ser o grande EU SOU, o Deus, eles quiseram o apedrejar por blasfêmia. A Mesma expressão que eles conheciam da Septuaginta, ou seja, “ego eimi”, a qual Deus usou para se identificar, Jesus estava usando para si. A Expressão “ego eimi” também se encontra em Dt 32:39, onde se encontra a afirmação de que somente Deus é o EU SOU (ego eimi).

Agora, iremos verificar mais um ponto contra a posição da STV sobre este versículo: a tradução errônea em sua “Bíblia”. O texto grego não admite sob forma alguma a tradução de “ego eimi” para “eu tenho sido”. O Pr. Esequias Soares da Silva, em seu livro Como Responder às Testemunhas de Jeová, vol. 1, p. 109 explica com clareza este fato:

“EU SOU” no texto grego aqui é ego eimi e não permite em hipótese alguma a tradução “eu tenho sido”. Essa tradução da Tradução do Novo Mundo é uma violação inescrupulosa da gramática e uma distorção do que a Bíblia ensina. O verbo grego eimi, “sou”, no infinitivo emai “ser”, é defectivo e não tem perfeito nem aoristo. Esses “tempos” verbais (aspectos verbais) vêm suprimidos pelo perfeito e aoristo do verbo ginomai e se a expressão “eu tenho sido” fosse autêntica aqui, nessa passagem o verbo seria gegona. Além do mais, o verbo “ser” está desprovido de tempo, não encerrando portanto a idéia de tempo. Com isso, Jesus está dizendo que é eterno. A idéia de tempo aqui, nessa passagem, recai sobre a palavra prin “antes”, e o acentuado contraste entre os verbos gregos “existisse” ginomai e eu “sou” (eimi) mostra que mesmo antes de Abraão existir Jesus já existia eternamente. Com isso, Jesus se identificou com o grande “EU SOU” de Êx 3.14.”

Agora que vimos com clareza que Jesus é realmente o EU SOU, gostaria de frisar a importância que o texto da em reconhece-Lo como tal. Recomendo a leitura de Jo 8:21-59. Vejamos alguns textos desta passagem, onde Jesus afirma ser o EU SOU (ego eimi):

“Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que EU SOU (ego eimi), morrereis em vossos pecados.” (v. 24)

“Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do homem, então conhecereis quem EU SOU (ego eimi), e que nada faço por mim mesmo; mas falo como meu Pai me ensinou.” (v. 28)

Veja agora dois versículos onde “ego eimi” se encontra na Septuaginta:

“E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.” (Êxodo 3:14)

“Vede agora que eu, EU SOU, e mais nenhum deus há além de mim; eu mato, e eu faço viver; eu firo, e eu saro, e ninguém há que escape da minha mão.” (Deuteronômio 32:39)

Mesmo que a tradução de “ego eimi” fosse “eu tenho sido”, o que vimos que não é correto, os Judeus teriam entendido o que Jesus disse, pois conheciam a Septuaginta, onde o próprio Deus se auto-proclamou como o Ego Eimi. A Septuaginta foi traduzida aproximadamente no ano de 250 a.C., e era de grande circulação, pois a língua grega dominava quase todo o mundo da época. Esta tradução visava a conveniência dos Judeus de fala grega que não conheciam o hebraico. Como o grego era a “língua popular” da época, sua leitura era muito abundante. Mesmo pessoas que conheciam o idioma hebraico, como Paulo, e o autor de Hebreus, faziam citações da Septuaginta, o que indica que os Judeus a liam com freqüência.

CONCLUSÃO:

O Crente que não tem por hábito de freqüentar a Escola Bíblica Dominical, nem os Cultos de Doutrina, torna-se presa fácil para os Testemunhas de Jeová, como qualquer seita herética, crentes que em vez de irem para a Igreja ficam em casa correm o risco de serem contaminados por estas seitas. Devemos seguir recomendações do Apóstolo João: “Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tão pouco o saudeis.” (2 Jo.10).

Leitura:

· A Necessidade do conhecimento de Deus (Jo. 17:3)

· Os Filhos de Jó (Jó 1:4-5)

· As duas pátrias do crente; terrena e celestial (Mt. 22:17-21)

· Não ingerir Sangue – uma proibição divina. (Gn. 9:4)

· A autoridade dos governantes é Bíblica. (Rm. 13:1-4)

· Os anjos celebram o nascimento de Jesus Cristo. (Lc. 2.8-14)

Meditação em: 1 Timóteo 4:1-6:

“Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência, proibindo o casamento ordenado a abstinência dos manjares que Deus criou para os fiéis e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; porque toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças. porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada. Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido.”

por Otoniel Nunes Pereira

***Esse estudo pode ser repassado***

 

REFLEXÕES SOBRE A IMORTALIDADE DA ALMA

PARA ONDE VÃO OS MORTOS? [e sono da alma, aniquilacionismo, aniquilacionista, mortalismo, mortalista, adventismo, adventismo, sabatismo, sabatista, etc.]


Pr Airton Evangelista da Costa

 

A doutrina aniquilacionista defende cessação total da vida no ato da morte. A alma, princípio vital, sucumbe com o corpo na sepultura. Ao descer ao pó, o homem, desaparece por completo. Todavia, segundo essa teoria, os justos ressuscitarão no tempo oportuno e voltarão à condição original de alma vivente.

O castigo dos ímpios seria o de não viver para sempre com Jesus. A morte para estes seria realmente a separação eterna de Deus. Neste caso, não haveria os diferentes graus de castigo, segundo as obras de cada um.

“O aniquilacionismo defende que, após a morte, a alma do ímpio não será punida eternamente num inferno literal, mas, ao invés disso, simplesmente deixará de existir. O aniquilacionismo constitui um meio termo entre o universalismo indiscriminado e a doutrina cristã tradicional da condenação eterna. É defendido pelas testemunhas de Jeová, pelos adventistas do sétimo dia, pela Igreja Mundial de Deus, e muitos outros grupos religiosos em atividade atualmente” (Dicionário de Religiões, Crenças e Ocultismo, George A. Mather).

O Antigo Testamento é pouco elucidativo quanto à vida após a morte. É no Novo Testamento que vamos encontrar indicações mais claras a respeito do assunto. Comecemos pela formação do homem no Éden, onde pela primeira vez, a palavra alma é registrada:

“Formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida, e o homem tornou-se alma vivente. Então da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou a mulher, e a trouxe ao homem” (Gn 2.7,22).

Deus criou os animais sem soprar em suas narinas e os chamou de “répteis de alma vivente [criaturas que vivem e se movem]” (Gn 1.20,21), diferentes do homem que recebeu o fôlego diretamente de Deus. Os seres humanos possuem portanto algo que veio diretamente da substância de Deus. A esse fôlego damos o nome de alma. Vejamos agora o significado das palavras “alma” e “espírito” no hebraico e no grego, línguas originais do Antigo e do Novo Testamento, respectivamente.

Alma, hebraico “nephesh”. Significados principais: alma, ego, vida, pessoa, coração; refere-se à essência da vida, ao ato de respirar, tomar fôlego.

Alma, grego psyche. Significados principais: a vida natural do corpo; vida; a parte imaterial, invisível do homem, o homem interior (Mt 10.28; At 2.27; 1 Rs 17.21).

Espírito, hebraico “ruah”. Significados principais: respiração, ar, força, vento, brisa, ânimo, humor, Espírito. Vejamos alguns exemplos: respiração que, quando volta, a pessoa é reavivada: “E [Sansão] bebeu [água]; e o seu espírito [literalmente, respiração] tornou, e reviveu” (Jz 15.19); elemento de vida no homem, o seu “espírito” natural: “E expirou toda carne que se movia sobre a terra […] Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em seus narizes” (Gn 7.21.22). Estes versículos dizem que os animais também possuem “espírito”, porém o homem recebeu o “fôlego” de forma diferente.

Espírito, grego pneuma. Significados principais: vento, respiração; parte imaterial, invisível do homem (Lc 8.55; At 7.59; 1 Co 5.5; Tg 2.26); o Espírito Santo; o homem interior, com relação aos crentes; os espíritos imundos, demônios; o corpo da ressurreição (1 Co 15.45; 1 Tm 3.16; 1 Pe 3.18). (Fonte: Dicionário VINE, W.E.Vine, Merril F. Unger, William White Jr., CPAD, 2002, 1a. Edição).

Em Isaías 26.9 o profeta apresenta nephesh e ruah como sinônimos: “Com minha alma te desejei de noite e, com o meu espírito, que está dentro de mim, madrugarei a buscar-te”. Parece indicar que a alma está ligada aos sentimentos (“te desejei”), sendo o espírito o elemento vital de comunicação com Deus.

A Bíblia não faz uma nítida distinção entre alma e espírito. Maria, mãe de Jesus, orou assim: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador” (Lc 1.46-47). Jesus, no Getsêmani: “A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal” (Mt 26.38). Na cruz, Ele bradou: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23.46). Por isso, para efeito deste trabalho, chamaremos de alma ou espírito a parte imaterial que se separa do corpo na hora da morte.

A alma foi doada ao homem no momento de sua formação, conforme Gênesis 2.7, onde se lê que o homem tornou-se “alma vivente”. A condição expressa no verso 17 – “certamente morrerás” – sugere uma imortalidade humana. Subtende-se que se o primeiro casal não comesse do fruto proibido, não passaria pela morte física nem perderia a comunhão com o Criador.

O primeiro casal não morreu logo após desobedecer, ou seja, não desceu ao pó, mas ficou potencialmente sujeito à morte física. Contudo, a sua morte espiritual foi imediata (Gn 3.7-13). Depois que o pecado afetou de forma negativa a raça humana, passou a haver separação da pessoa, na morte, em corpo, que volta à terra, e em espírito que volta a Deus (Ec 12.7).

Analisemos Eclesiastes 12.7- “E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.”

… O pneuma-espírito não desce à sepultura. Ele é parte inerente ao homem, mas não o é do corpo sem vida. Na morte há uma separação. Os contradizentes argumentam que se todos os espíritos voltam a Deus, então, como defende o universalismo, todos se salvam. Tal argumento não deve prevalecer. Basta ler o verso anterior:

“6 ¶ [Lembra-te também do teu Criador] … Antes que se rompa o cordão de prata, [isto é, antes que a morte chegue e se desmanche a coluna vertebral] ” (v.6). É nessa condição de homem arrependido e voltado para Deus, que a alma imortal, separada do corpo na hora da morte, “volta para Deus, que a deu”.

O contexto ressalta a fragilidade da vida do homem que vive sua vida sem temer a Deus, sem sequer se lembrar do seu Criador, sem nenhuma preocupação com a vida espiritual futura. A imagem de um corpo que se transforma em pó contrasta com a situação de vaidade e orgulho dos que não se submetem à vontade do Criador. Eclesiastes 12.7 mostra que a alma é imortal, e não morre com o corpo, nem com o corpo dorme na sepultura, mas segue imediatamente para Deus.

Dando mais luz ao contido em Gn 3.19 e Ec 12.7, Jesus disse que quando descemos ao pó a nossa parte imaterial e invisível sobrevive, não morre:

“E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mt 10.28).

Seus discípulos aprenderam a lição. Sabiam que a morte não era o fim de tudo. Herodes poderia degolar João Batista, mas jamais poderia extinguir a sua alma. Pedro poderia ser crucificado de cabeça para baixo; outros poderiam ser brutalmente assassinados, mas suas almas permaneceriam intocáveis. Jesus não deixa dúvida quanto à imortalidade e sobrevivência da alma. Por isso, na parábola, disse que “Lázaro morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão”. O rico, que vivia na opulência, poderia até ter tirado a vida do mendigo, mas a alma deste não seria atingida.

Conhecedor desta verdade, o apóstolo Paulo afirma que “para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho…mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Fp 1.21-23). Estava Paulo realmente consciente de que iria apodrecer no sepulcro e nada dele sobraria até a ressurreição? Neste caso não haveria qualquer lucro imediato. Melhor seria continuar vivo e pregando o Evangelho. Mas ele tinha a promessa do Autor da Vida: a sua alma não morrerá. “Partir e estar com Cristo” transmite uma idéia de trânsito sem interrupção. Esta interpretação se torna mais consistente quando consideramos Lucas 23.43, 46, e Atos 7.59.

O EXTERMÍNIO DOS ÍMPIOS

Os mortalistas alegam que se os que morrem em Cristo seguem diretamente para o céu, por que motivo Deus os tiraria de lá para se unirem a seus corpos? Considerando que defendem a total extinção dos ímpios, respondemos com outra pergunta: “Por que Deus tiraria os ímpios de suas sepulturas (Ap 20.5) para em seguida aniquilá-los? Eles já não estão mortos? Ora, na ressurreição do corpo – uns para a vida de eterna comunhão com Deus, outros para a eterna separação de Deus – ocorre uma recomposição alma-corpo, e o homem retorna à condição original de alma vivente (Gn 2.7), porém agora, quanto aos salvos, num estado de glorificação.

Li em determinado endereço na internet que o objetivo da segunda ressurreição, a dos ímpios (Ap 20.5) é “simples regresso à vida, à vida física, prelúdio de destruição total e definitiva (Dn 12.2 – 2a parte)”. Vejamos o que diz o texto:

“E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” (Dn 12.2). Os contradizentes desejam aniquilar a alma do homem, na morte, e também aniquilar os ímpios após a ressurreição destes. Mas o texto apresentado não aprova tal raciocínio. Os ímpios ressuscitarão “para vergonha e desprezo eterno”, ou seja, estarão eternamente envergonhados e desprezados, afastados de Deus. Jesus fala que os maus sofrerão a ressurreição “da condenação” (Jo 5.28,29). O inferno é lugar de “tribulação e angústia” (Rm 2.9) e de “pranto e ranger de dentes” (Mt 22.13; 25.30). Tais castigos só podem ocorrer em corpos vivos. A ressurreição dos ímpios dar-se-á para serem julgados e castigados segundo as más obras de cada um. É um exagero afirmar que a ressurreição dos ímpios é um “prelúdio” do extermínio.

GRAUS DE CASTIGO

A doutrina da pena de morte para os ímpios não consegue responder satisfatoriamente como serão aplicados os diferentes graus de castigo. Ora, se os ímpios sofrerem a pena capital, não haverá diferentes graus de punição.

“Assim como haverá diferentes graus de glória no novo céu e na nova terra, também haverá diferentes graus de sofrimento no inferno. Aqueles que estão eternamente perdidos sofrerão diferentes graus de castigo, conforme os privilégios e responsabilidades que aqui tiveram” (Notas Bíblia de Estudo Pentecostal). Vejam os textos pertinentes:

“Virá o Senhor daquele servo no dia em que o não espera e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis”. E o servo que soube da vontade do seu senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com MUITOS AÇOITES. Mas o que a não soube e fez coisas dignas de açoites com POUCOS AÇOITES será castigado…” (Lc 12.46-48).

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações. Por isso, SOFREREIS MAIS RIGOROSO JUÍZO” (Mt 23.14). (Mc 12.40 diz:”…Estes receberão juízo muito mais severo”; Lucas 20.47 diz”… Estes receberão maior condenação”).

“De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajar o Espírito da graça?” (Heb 10.29).

“Uma é a glória do sol, e outra, a glória da lua; e outra, a glória das estrelas; porque uma estrela difere em glória de outra estrela. Assim também a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo em corrupção; ressuscitará em incorrupção. ” (1 Co 15.41,42).

Os crentes fiéis receberão galardões: Mt 5.11,12; 25.14-23; Lc 19.12-19; 22.28-30; 1 Co 3.12-14; 9.25-27;2 Co 5.10; Ef 6.8; Hb 6.10; Ap 2.7,11,17,26-28; 3.4,5;12,21. Os crentes menos fiéis receberão poucos galardões, ou nenhum (Ec 12.14; Mt 5.19; 2 Co 5.10).

Ainda sobre o “extermínio dos ímpios, convém esclarecer que o verbo “perecer” em Mateus 10.28 não significa exterminar. Vejamos seu real significado no grego, língua original do Novo Testamento, tudo conforme o conceituado Dicionário VINE, de W.E. Vine, Merril F. Unger, William White Jr., CPAD, edição 2002, Rio.


“Perecer”
1 – apollumi, “destruir”, significa, na voz média, “perecer”, e é usado acerca de:
(a) coisas
(por exemplo, Mt 5.29.30; Lc 5.37; At 27.34 [em alguns textos piptõ, “cair”]; Hb 1.11; 2 Pe 3.6; Ap 18.14-segunda parte…
(b) pessoas (por exemplo, Mt 8.25; Jo 3.15, 16; 10.28; 17.12, “se perdeu”; Rm 2.12; 1 Co 8.11; 15.18; 2 Pe 3.9; Jd 11). Em 1 Co 1.18 [“Porque a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo…”], literalmente, “perecendo”, onde a força perfectiva do verbo implica a conclusão do processo. Quanto ao significado da palavra, veja DESTRUIR”.

“Destruir”
1 – apollumi, forma fortalecida de ollumi, significa “destruir totalmente”; na voz média, “perecer”. A idéia não é de extinção, mas de ruína, perda, não de ser, mas de bem-estar. Isto é claro pelo uso do verbo, como, por exemplo, o estrago dos odres de vinho (Lc 5.37); a ovelha perdida, ou seja, perdida do pastor, estado metafórico de destituição espiritual (Lc 15.4,6, etc.); o filho perdido (Lc 15.24); o perecimento da comida (Jo 6.27), do ouro (1 Pe 1.7). O mesmo com relação às pessoas (Mt 2.13; 8.25; 22.7; 27.20); à perda da felicidade no caso dos não-salvos (Mt 10.28; Lc 13.3,5; Jo 3.15, em alguns manuscritos; Jo 3.16; 10.28; 17.12; Rm 2.12; 1 Co 15.18; 2 Co 2.15; 4.3; 2 Ts 2.10; Tg 4.12; 2 Pe 3.9).

2 – kataluõ, formado de kata, para baixo, elemento intensivo, e o n. 4, “destruir totalmente”, “subverter completamente”, é verbo que ocorre em Mt 5,17 duas vezes acerca da lei); Mt 24.2; 26.61; 27.40; Mc 13.2; 14.58; 15.29; Lc 21.6 (acerca do templo); em At 6.14, diz respeito a Jerusalém; em Gl 2.18, fala acerca da lei como meio de justificação; em Rm 14.20, da ruína do bem-estar espiritual de uma pessoa (em Rm 14.15, o verbo appolumi, n. 1, é usado no mesmo sentido). Em At 5.38,39, acerca do fracasso dos propósitos; em 2 Co 5.1, da morte do corpo”.

 

Portanto, nem sempre a expressão PERECER significa destruição, extermínio, eliminação do ser. Vejamos o que diz o evangelho sinótico de Lucas:

“Temam aquele que, depois de matar o corpo, tem poder para lançar no inferno” (Lc 12.5b).

Eis a Bíblia se explicando a si mesma. O sinótico de Lucas, para não pairar dúvidas, não usa o verbo apollumi-perecer, mas emballõ-lançar (separar, lançar, arremessar, atirar, jogar, lançar em). Ballõ-lançar é um sinônimo traduzido como lançar, arremessar, jogar (Mt 5.29; 18.8; Ap 2.10.24; 20.3,10,14,15). Então Mateus 10.28b deve ser lido assim: “…tem o poder para lançar no inferno alma e corpo”. Logo, lançar ou perecer no inferno não significa aniquilamento.

Os mortalistas apresentam também o seguinte texto como prova do extermínio dos maus: “Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder” (2 Ts 1.9).

Contestação – O versículo diz exatamente o contrário do que desejam os defensores da pena de morte. Os ímpios serão banidos da face do Senhor, para serem castigados (cf.Ap 20.10).”Destruição/perdição/banimento” (elethros) nesse caso, como já vimos, significa perda de bem-estar, ruína, separação eterna da comunhão de Deus, tal como já explicado a análise de Mateus 10.28b (“perecer no inferno”). Neste sentido é usado em Mt 7.13, Jo 17.12, 2 Ts 2.3. Adão foi expulso do Éden, banido da face do Senhor, e experimentou imediata perdição/morte espiritual. “Pois assim como em Adão todos morrem, também da mesma forma em Cristo serão vivificados” (1 Co 15.22). Ademais, o próprio texto diz: “separados/banidos da presença do Senhor”. A advertência do Senhor continua válida nos dias de hoje. Se formos desobedientes, certamente morreremos (Gn 2.17).

Mais um: “Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o Senhor dos Exércitos” (Ml 4.1,3).

Contestação – Realmente, os ímpios serão destruídos. O texto fala de pessoas vivas que serão exterminadas no Dia do Senhor (“aquele dia”). Esses ímpios a serem aniquilados ressuscitarão no tempo devido (Jo 5.29; Ap 20.5). Depois, corpo e alma serão lançados no inferno (Mt 10.28; Lc 12.5), onde “serão atormentados dia e noite, pelos séculos dos séculos” (Ap 20.10,14,15). Malaquias 4.1,3 se coaduna com outras passagens que falam das últimas coisas. Vejamos:

“Porque como um fogo purificador ele é…” (Ml 3.2-a); “Colocarei sinais nos céus e sobre a terra, sangue e fogo e colunas de fumaça” (Jl 2.30); “Os céus e a terra que agora existem, estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e da destruição dos ímpios (2 Pe 3.7). Um terça parte dos homens serão mortos ao soar da sexta trombeta, por fogo, fumaça e enxofre (Ap 9.15,17). No Dia do Senhor, no tempo em que Deus derramará seus juízos sobre a terra, os ímpios que existirem na terra experimentarão a primeira morte, a morte física. Depois da ressurreição, virá a morte eterna, a eterna separação de Deus (Ap 20.14,15;21.8; 22.15).

Portanto, o texto sob análise não reforça a tese do aniquilamento. Dentro do mesmo contexto e interpretação estão os demais textos que falam em extermínio e perdição dos ímpios (Sl 34.16;37.9.10,38; 145.20. Fp 3.19). Em tais casos, “perecer”, “destruir”, “perdição” falam da destituição e alienação espirituais provenientes de Deus. São exemplos João 3.16 (“não pereça, mas tenha a vida eterna”) e Mateus 10.6 (“ovelhas perdidas da casa de Israel”).

A tese do extermínio dos ímpios enfrenta outra dificuldade. Jesus revelou que os justos ressuscitarão “para a vida”, e os ímpios, “para serem condenados” (Jo 5.29); na carta aos romanos Paulo indica que “haverá tribulação e angústia para todo ser humano que pratica o mal” (Rm 2.9); em Daniel 12.2 lê-se que os ímpios ressuscitarão “para a vergonha e desprezo eterno”; Apocalipse 14.11 diz que não haverá descanso “nem de dia nem de noite” para os adoradores da besta; Apocalipse 20.10 anuncia que os que forem lançados no lago de fogo “serão atormentados dia e noite, para todo o sempre”; Jesus declara que os insensatos e hipócritas serão punidos severamente num lugar “onde haverá choro e ranger de dentes” (Mt 8.12; 24.51; 25.30), e onde estarão amarrados, em trevas, para todo o sempre (Mt 22.13).

Convenhamos, defunto não chora, não se angustia, não range dentes, não passa por tribulação, não se atormenta, não sente vergonha ou desprezo. Logo, não deve prevalecer a idéia de que os ímpios serão exterminados. Deus não ressuscitará os ímpios para exterminá-los em seguida (Ap 20.5). Agiria assim para que morram “conscientes” da punição? De maneira alguma. É uma impropriedade alegar que a ressurreição é um prelúdio da morte. Reviver para morrer, sair da sepultura para, em seguida, retornar à sepultura – sinceramente, se trata de um pensamento que colide frontalmente com a Palavra. A ressurreição do corpo é para que viva; não para que morra. Não fosse assim, não haveria razão para ressuscitar os que já se acham mortos.

Em resumo, a tese do extermínio dos ímpios é incompatível com a doutrina dos diferentes graus de castigo e contrária ao ensino da Bíblia. O assunto voltará a ser tratado mais adiante.

DUALIDADE E SOBREVIVÊNCIA DA ALMA

A separação alma-corpo por ocasião da morte está expressa, por exemplo, nas palavras de Jesus: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou”. Havendo morrido como homem, e não como Deus, a alma de Jesus também separou-se do seu corpo na morte. O primeiro mártir cristão, Estevão, também entregou seu espírito: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (At 7.59). Salomão tinha razão quando disse que o corpo desce ao pó, mas o espírito segue seu destino (Ec 12.7), confirmando haver uma separação na hora da morte.

“E disse [o ladrão] a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23.42,43).

A declaração de Jesus ao ladrão arrependido é a mais clara aplicação da salvação pela graça, mediante a fé, conforme Efésios 2.8-9. Além disso, o texto revela a dualidade do homem, a separação e sobrevivência da alma por ocasião da morte. Tão grande pedra no caminho dos mortalistas não poderia deixar de ser rejeitada com muito alarido e pouca consistência. Apresentam as seguintes objeções, cabalmente refutáveis.

Primeiro – Dizem que em algumas versões está escrito “quando vieres no teu reino” , e não “quando entrares no teu reino”. Assim, desejam convencer que a alma do ladrão não iria imediatamente para o céu, mas esperaria a volta de Jesus para ressuscitar.

Contestação –
(a) A segunda parte do texto dirime qualquer dúvida que possa existir com relação à primeira. Jesus declara que o ladrão arrependido subiria para o céu naquele mesmo dia. Em nenhuma hipótese devemos duvidar das palavras de Jesus, a menos que renunciemos à nossa condição de cristãos.
(b) O ladrão arrependido passou a fazer parte do reino de Deus no momento em que aceitou o senhorio de Jesus. Sabendo que o ladrão morreria naquele mesmo dia, e que, na qualidade de salvo, sua parte imaterial iria para o céu, Jesus declarou sem rodeios: “Hoje estarás comigo no paraíso”. É muito provável que o ladrão não conhecesse o ensino da volta de Jesus. A interpretação mais provável, portanto, é “quando entrares no seu reino”.
(c) De qualquer modo, Jesus nos ensinou que as almas dos crentes seguem direto para o céu. Com isto, o ladrão morreu com a certeza de se encontrar com Ele no paraíso.
(d) A palavra grega erchomai é traduzida também como “vir” (Mt 2.2; 24.46), “ir” (Jo 20.1; 1 Co 4.19), chegar (Mt 8.14; 13.54), partir (Mc 8.10; 9.33). Em razão disso, algumas versões registram, “quando vieres no seu reino”, e outras, “quando entrares no seu reino”.
(e) O ladrão leu a placa com a declaração em grego, romano e hebraico: “Este é o Rei dos judeus” (Lc 23.38) que fora colocada na cruz, teve certeza de que Jesus reinaria em algum lugar e manifestou o desejo de participar desse reino. Na verdade Jesus começou a reinar ali mesmo no coração do arrependido malfeitor. Então, quando estiveres, chegares, entrares no seu reinado, lembra-te de mim. Qualquer dúvida que possa subsistir desvanece diante da declaração de Jesus: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”.

Segundo – Os contradizentes alegam que na Tradução Trinitariana, em português, editada em 1883, pela “Trinitarian Bible Society” de Londres, Diz: “Na verdade te digo hoje, que serás comigo no Paraíso”.

Contestação – A versão apresentada atende aos interesses dos contradizentes. É importante registrar que em edições mais recentes, em português, da SBTB – Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, o versículo está redigido assim: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”. Então, se torna inconsistente o argumento que defende a transcrição correta somente na edição de 1883, sem esclarecer o porquê de tal discriminação. Eleger uma versão em detrimento de outras, somente porque determinado registro atende a determinada crença, não me parece um sólido argumento.

Terceiro – Alegam também, em defesa da inexistência da alma imortal, que a expressão “hoje” ligada ao verbo não é redundante, mas enfática, tal como encontrada em Zacarias 9:12 e Atos 20:26. Justificam assim a versão “digo-te hoje: estarás comigo no paraíso”. Contestação – Devemos buscar a ênfase no contexto. Logo após garantir que o malfeitor estaria com Ele no paraíso, Jesus, para confirmar tal assertiva, entregou ao Pai seu próprio espírito. Os textos apresentados (Zc 9.12 e At 20.26) não servem para elucidar a questão. Vários exemplos podem ser citados em que inexiste a expressão “digo hoje”: “Em verdade vos digo que eles já receberam…” (Mt 6.2); “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido…” (Mt 11.11).

Quarto – Para contornar o problema, alegam que o ladrão não morreu naquele mesmo dia. Dizem que os crucificados passavam até sete dias sofrendo. Afirmam que “Cristo foi caso excepcional e que sabemos que não morreu dos ferimentos ou da hemorragia, mas do quebrantamento do coração. Morreu de dor moral por causa dos pecados do mundo. Mas os outros, não, e as crônicas descrevem o condenado esvaindo-se lentamente durante dias”. Alegam mais que “de acordo com o costume, quebravam as pernas dos criminosos depois de os haverem removido da cruz, deixando-os estendidos no chão, até que o sábado passasse. Depois do sábado haver passado, sem dúvida esses dois corpos foram outra vez amarrados na cruz, e lá ficaram diversos dias até morrerem…”
Contestação – Como não podem negar a morte de Jesus na sexta-feira, apelam por alongar a agonia dos malfeitores crucificados. Ao dizer que Jesus morreu de “dor moral”, negam a existência de hemorragia no Seu corpo, a asfixia, o enfraquecimento físico. Tal afirmação colide com diagnósticos de profissionais. O Dr. Barbet, médico francês, professor e cirurgião, que por treze anos viveu na companhia de cadáveres, após dissertar sobre o sofrimento de Jesus, dá o seu diagnóstico:

“Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancaram um lamento: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?”. Jesus grita: “Tudo está consumado!”. Em seguida num grande brado disse: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. E morre”.

O Professor Pierluigi Baima Bollone diretor do Instituto de Medicina Legal da Universidade de Torino – Itália, relata em seu último livro, “Os últimos dias de Cristo”. que a causa final da morte de Jesus foi “asfixia, complicada por ataque cardíaco terminal, e trombose coronária, ocorridas depois de poucas horas sobre a cruz, pois Jesus se encontrava fraco, devido as torturas recebidas. Todos estes dados são perfeitamente compatíveis com o que se lê nos evangelhos”.

Vejamos o relato bíblico a respeito da morte dos ladrões:

“Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação (pois era grande o dia de sábado) rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados. Foram, pois, os soldados e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro e ao outro que com ele fora crucificado. Mas, vindo a Jesus e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas” (Jo 19.31-33).

Quebrar as pernas dos crucificados tinha o objetivo de apressar a morte. Sem o apoio dos pés, o corpo ficava seguro apenas pelos pulsos, o que causava forte pressão sobre o tórax. A morte viria rapidamente.

Quinto – Alegam que Jesus não foi para o Pai logo após a morte. Apresentam como justificativa o que Jesus disse a Maria Madalena: “Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai” (Jo 20.17 a). Sob a ótica da não sobrevivência da alma, dizem que Jesus devolveu ao Pai o sopro, a vida dele recebida. Assim explicam: “Era este fôlego que Cristo e Estevão não podendo reter, quando estavam prestes a expirar (e expirar significa soltar o fôlego, exalá-lo definitivamente), pediram ao Pai que o recebesse de volta. (Atos 7:59 e Lucas 23:46). Mas não era parte consciente, pois Cristo, dias depois, ressurreto, dissera: “Ainda não subi para Meu Pai.”
Contestação – Creio que todas as afirmações de Jesus são verdadeiras. Os mortalistas se agarram na frágil argumentação segundo a qual o espírito de Jesus não subiu ao Pai porque Ele mesmo o revelou a Madalena (Jo 20.17). Somente em duas hipóteses Jesus não entregou seu espírito ao Pai. Primeira, Ele não falou isso, e os evangelhos mentem; segunda, de fato Ele entregou seu espírito, mas o Pai não o recebeu. Nenhuma dessas hipóteses é viável. “Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai” diz respeito à subida de seu corpo ressurreto. Passados quarenta dias é que se deu sua ascensão corporal.

Na ótica dos mortalistas não existe separação entre corpo e espírito por ocasião do falecimento. Admitem que o retorno à vida, como no caso de Lázaro (Jo 11.43) e da ressurreição coletiva (1 Ts 4.16-17), é resultado de novo sopro de Deus.

Jesus e Estevão não entregaram um simples sopro, nem Jesus disse ao ladrão que o seu “sopro” estaria subindo para o céu juntamente com o seu próprio “sopro”. Nem sempre se pode traduzir psyche como “sopro”. Vejamos se seria possível tal construção:

“Não temais os que matam o corpo, e não podem matar o “sopro”; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto o “sopro” como o corpo” (Mt 10.28).

Após a morte a alma continua existindo. Na sua visão apocalíptica, o apóstolo João validou essa realidade: “E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus…e clamavam com grande voz…” (Ap 6.9-10). De nenhum modo se pode deduzir que os “sopros” dos mortos estavam vivos e conscientes. As “almas dos que foram mortos” estavam no céu, e oravam para que os ímpios que rejeitaram a Deus e mataram os seus seguidores recebessem a justiça divina.

Para Apocalipse 6.9-10 os mortalistas afirmam que é tudo simbólico, mas depois apresentam uma bizarra interpretação: “Estas “almas” eram as pessoas vítimas da matança do cavaleiro chamado Morte, descrito no quarto selo. Queremos dizer que as “almas” que aparecem sob o quinto selo foram mortas sob o selo precedente, dezenas ou mesmo centenas de anos antes, portanto os perseguidores já estavam mortos, e ainda de conformidade com a teologia popular deveriam já estar no inferno, portanto já sofrendo a punição, sendo inócuo, pois, o clamor por vingança” (http://www.jupiter.com.br/iasd/pmc2/outras2.htm [este é um site dos adventistas do sétimo dia])

Contestação – O que dizer de: “E vi almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus…” (Ap 20.4)? Se são “almas das pessoas”, confirma-se a sobrevivência das almas, pois não há registro de que essas pessoas haviam ressuscitado. Se a Bíblia diz que eram almas dos mortos, então realmente o eram. Seriam elas o “sopro” dos que foram degolados?. Claro que não.
A mensagem nos diz que as almas se separam dos corpos, e sobrevivem, conforme referendado em outros textos. Não procede o argumento de que as almas referidas são de pessoas que morreram centenas de anos antes. Esses eventos ocorrerão num período de sete anos, tempo de duração da grande tribulação, a “septuagésima semana de Daniel” (Dn 9.27;Ap 11.2; 13.5).

Em Lucas 16.22 está escrito, conforme palavras de Jesus, que o mendigo Lázaro morreu e “foi levado pelos anjos para o seio de Abraão”. A alma do injusto rico seguiu para um lugar de tormentos. O apóstolo Paulo desejou “partir e estar com Cristo, o que é muito melhor” (Fp 1.23). Esta afirmação denota mudança imediata, sem interrupção, sem intervalo. Demonstra que Paulo sabia que a sua alma entraria imediatamente na presença de Deus.

A imortalidade da alma não é doutrina estranha às sagradas Escrituras. Creio na verdade dita por Jesus: podem matar o corpo, mas a alma não morrerá. Vejamos mais uma vez: “E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo” (Mt 10.28).

“Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer. Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei”. (Lc 12.4-5).

O texto acima contradiz duas teses dos aniquilistas:
(a) A da morte da alma com o corpo;
(b) A do extermínio dos ímpios. Alegam que “matar o corpo e não podem matar a alma” significa não poder matar o transcendente, a mente ou ego. Alegam também que se Jesus declara que Deus pode fazer perecer no inferno alma e corpo, é porque a alma é mortal.

Contestação – Os contradizentes afirmam que quando o homem morre, tudo se acaba. Somente na ressurreição é que ressurgem corpo, consciência e todo o complexo ser humano. O texto, por sua clareza, dispensaria comentários. “Matar o corpo, mas não podem matar a alma”, dar autenticidade a Lucas 16.22 (Lázaro levado pelos anjos), Atos 7.59 (Estevão entregando seu espírito), Filipenses 1.23 (Paulo desejando morrer para estar com Cristo), Lucas 23.43 (o malfeitor arrependido sendo levado para o céu), Lucas 23.46 (o próprio Jesus entregando o seu espírito), Eclesiastes 12.7 (a alma se desliga e volta a Deus), Apocalipse 6.9 (almas dos mortos), Tiago 2.6 (corpo sem o espírito), Mateus 17.3 (Moisés na transfiguração), 2 Coríntios 5.8 (deixar o corpo e habitar com o Senhor), Mateus 22.32 (Deus não é Deus dos mortos, mas de vivos).

A MORTE DA ALMA

Examinemos algumas das provas apresentadas pelos mortalistas.

“Certamente morrerás”, castigo prometido ao homem, em caso de desobediência (Gn 2.17), versículo muito usado na defesa do dogma da pena de morte para a alma. Alegam que como o homem foi feito “alma vivente” (Gn 2.7), ao morrer, morre a alma vivente e tudo se extingue. Alguns alegam que o homem, por não haver comido da árvore da vida (Gn 4.22-24), não se tornou imortal.

Contestação – Os contradizentes se apegam ao termo “alma vivente” na tentativa de demonstrar que o homem sendo uma alma que vive, morrendo o homem, morre a alma. Ocorre que o hebraico nephes, mencionado mais de 780 vezes no AT, é traduzido por alma, ego, vida, pessoa, coração. A mesma palavra nephes é usada para descrever animais da terra, em distinção aos pássaros e peixes. Nesta concepção, são seres ou criaturas viventes (Gn 1.24,28,30). Quanto ao homem, a palavra passa a significar pessoa que vive. Uma importante diferença existe na criação de homens e animais. O homem foi criado de um modo todo especial. Além de haver sido feito à imagem e semelhança do Criador, Deus soprou em suas narinas. Não houve sopro nas narinas dos animais. Temos, portanto, em nosso ser uma substância divina que veio diretamente do Ser Divino. A isso chamamos alma, que, segundo as palavras do próprio Criador, Jesus, é imortal e transcendente (Mt 10.28).

É possível que a árvore da vida seja símbolo das bênçãos espirituais a serem desfrutadas pelos que são lavados e remidos no sangue do Cordeiro. Após a queda, Adão foi lançado “fora do jardim do Éden” para que não tome da árvore da vida, e “viva eternamente” (Gn 3.22-23). O ressurgimento simbólico da árvore no tempo futuro (Ap 2.7;22.2,14), para desfrute dos santos imortais, desencoraja a tese de que ela seja símbolo de imortalidade. O Novo Comentário da Bíblia, assim interpreta: “Qualquer que seja a verdadeira explicação sobre a árvore, não há dúvida sobre a significação da ação de Deus ao remover o homem do jardim. O homem estava agora cortado de Deus e, portanto, no sentido mais real estava cortado da “vida”: isso foi simbolizado mediante a separação entre ele e a árvore da vida”. Somente quando a redenção aparece consumada é que a árvore da vida reaparece dentro do alcance do homem. Note-se que a `árvore da vida´ era símbolo do estado abençoado do homem; enquanto que a árvore da ciência do bem e do mal simbolizada o teste a que foi sujeitado o homem”.

Gênesis 2.17 não fala em mortalidade da alma. Somente a partir de Eclesiastes 12.7 o assunto começa a ser revelado, até chegar na palavra de Jesus, conforme Mateus 10.28, onde diz que a alma não pode morrer.

Adão passou por duas qualidades de morte, após sua queda: em primeiro lugar e imediatamente, adveio a morte espiritual, ou seja, a eterna separação de Deus (Gn 3.6-12). Em segundo lugar, a morte física, isto é, Adão ficou sujeito a morrer fisicamente. Daí a sentença em Gênesis 3.19: “Pois és pó, e ao pó tornarás”. Por isso, “certamente morrerás” (Gn 2.17) contempla a morte física e a morte espiritual. Esses dois tipos de morte passaram a todos os homens (Rm 5.12, cf. Mt 13.49; 25.41). A alma imortal de Adão não ficou sujeita à morte.

Os mortalistas dizem que na morte o fôlego se evapora, perde-se no ar. Eclesiastes 12.7 chama “espírito” a parte invisível que sai do corpo sem vida, e que volta para Deus. Salomão não se estendeu muito no assunto, mas nota-se que ele estava falando dos justos, cujas almas vão diretamente para Deus. Portanto, não vale dizer que Salomão ensinou a salvação universal, salvação para todos. Para colocar as coisas nos devidos lugares, Jesus explica que os justos são levados para o céu, e os desobedientes para um lugar de tormentos (Lc 16.19-31).

Continuemos na análise de alguns versículos apresentados pelos mortalistas em defesa do dogma da mortalidade da alma.

“A alma que pecar, essa morrerá” (Ez 18.4,20).

Contestação – A Bíblia está falando de pessoas, de filhos com relação aos pais. …. Citar esse versículo como prova da mortalidade da alma é um lamentável equívoco. “Morte” nesse caso tem o mesmo significado que teve com relação a Adão, o de morte espiritual, compreendendo a separação de Deus. Os que estão mortos em seus pecados, afastados de Deus, porém vivos, têm ainda oportunidade de se arrependerem e aceitarem os termos da Nova Aliança em Cristo Jesus (Ez 18.21). Se, porém, não se arrependerem experimentarão a morte eterna, ou seja, a eterna separação de Deus. Estes sofrerão o eterno castigo (Ap 20.10; 14,15; 21.8).

“O salário do pecado é a morte” (Rm 6.23).

Contestação – Cabe a mesma refutação do tópico anterior. Vejamos o que diz o conceituado Dicionário VINE, sobre thanatos-morte: “É usado nas Escrituras para descrever:
(a) a separação da alma (a parte espiritual do homem) do corpo (a parte material), o último cessar de funções e a volta para o pó (Jo 11.13; Hb 2.15; 5.7; 7.23).
(b) separação do homem de Deus; Adão morreu no dia em que desobedeceu a Deus (Gn 2.17), e, por conseguinte, todo o gênero humano nasce na mesma condição espiritual (Rm 5.12.14,17,21) da qual, porém, aqueles que crêem em Cristo são livres (Jo 5.24; 1 Jo 3.14). A morte é o oposto da vida; nunca denota não-existência. Assim como a vida espiritual é “a existência consciente em comunhão com Deus”, assim, a morte espiritual é “a existência consciente na separação de Deus”.

A IMORTALIDADE DE DEUS

“O único que possui a imortalidade que habita em luz inacessível…” (1 Tm 6.16). Este versículo é muito usado na defesa da mortalidade da alma. Dizem que o homem somente adquire imortalidade na ressurreição para a vida eterna com Cristo. Argumentam que na ressurreição o que é mortal se reveste de imortalidade (1 Co 15.54). Os outros, os que morreram sem salvação não terão tal privilégio.

Contestação – Na ressurreição dar-se-á uma recomposição do homem; o corpo volta à vida, reunindo-se à alma, e o homem retorna à condição original de ser vivente. Os crentes terão um corpo semelhante ao de Cristo (Rm 6.5; Fp 3.21). É preciso lembrar que os ímpios também ressuscitarão, e se tornarão imortais, porém terão vida de má qualidade.

“O termo athanasia expressa mais que imortalidade, sugere a qualidade da vida desfrutada, como está claro em 2 Co 5.4: …não queremos ser despidos, mas vestidos de novo, para que o mortal seja recolhido pela vida. O estado do crente de ser despido não se refere ao corpo no sepulcro, mas ao espírito que aguarda o “corpo da glória” na ressurreição” (Dicionário VINE, pg 703). O apóstolo Paulo faz talvez a mais importante revelação sobre a imortalidade da alma e futura união desta com o corpo. Ele fala da sua esperança não apenas de “partir e estar com Cristo” (Fp 1.23), mas de poder ser “vestido de novo”, quando será consumada a redenção completa, “a redenção do nosso corpo” (Rm 8.23).

A imortalidade de que trata 1 Timóteo 6.16, refere-se a um atributo intrínseco da Divindade; uma imortalidade que pode ser traduzida por eternidade, isto é, Deus não teve começo nem terá fim. Por outro lado, Paulo assevera que os cristãos ressuscitarão em corpos físicos “imortais” (1 Co 15.53). Logo, o homem possui em potencial essa imortalidade não inerente ao seu ser, mas derivada, adquirida, doada. A imortalidade humana difere da de Deus porque não é eterna: a nossa não terá fim, mas teve um princípio.

Mortalistas há que usam o argumento do silêncio, afirmando que em lugar nenhum da Bíblia diz que as almas que estão no céu ou no inferno sairão de seus lugares para um encontro com seus corpos. Como vimos em 2 Coríntios 5.1,8, e em outras passagens, esse silêncio não é total. Se a alma não morre com o corpo (Ec 12.7; Mt 10.28; Lc 23.43,46; At 7.59; Fp 1.23), sem dúvida ela se unirá ao corpo e formará na ressurreição um corpo espiritual e imortal.

ACERCA DOS QUE DORMEM

Não sejais ignorantes acerca dos que já dormem… (1 Ts 4.13,14; cf. Dn 12.2; Mt 27.52; Mc 5.39; Lc 8.52; 1 Co 11.30; 15.6,18). A expressão “os que dormem”, referindo-se aos mortos em Cristo, tem sido usada para justificar a inconsciência após a morte e a inexistência de uma alma sobrevivente e imortal. Dizem que a situação dos mortos até a ressurreição é de completa inexistência. Citam como prova irrecusável a resposta de Jesus aos discípulos: “Nosso amigo Lázaro dorme, mas vou despertá-lo” (Jo 11.11). Alegam também que Jesus nada disse sobre a situação do espírito do falecido. Para Marta e Maria seria um consolo saber que seu irmão morreu e foi para o céu.

Contestação – Primeiro, é impróprio o argumento com base no silêncio de Jesus. Não se pode firmar doutrina sobre o que não foi dito. A Bíblia aponta na direção de que somente os salvos tiveram o privilégio de voltar a viver. Estamos falando em ressuscitar, ter uma vida normal, porém mortal. São exemplos: “os santos que dormiam” (Mt 27.52-53); o filho da viúva de Serepta, (1 Rs 17.19-22); o filho da sunamita, (2 Rs 4.32-35); o defunto na cova de Eliseu (2 Rs 13.21); a filha de Jairo (Mc 5.21-23, 35-41); o filho da viúva de Naim (Lc 7.11-17); a discípula chamada Tabita, ressuscitada por Pedro (At 9.36-43); a ressurreição do jovem Êutico (At 20.9). Temos aí cinco ressuscitações provavelmente de crianças (“delas pertence o reino de Deus” – Lc 18.16).

Lázaro não estava num lugar de tormentos, condenado (Lc 16.22.23). Não podemos imaginar um ímpio, condenado, vivendo já em tormentos, retornar à vida por um milagre de Deus. Entendemos que Lázaro, ao morrer, fora levado pelos anjos para o céu, tal como aconteceu com o outro Lázaro, o mendigo (Lc 16.22).

Segundo, sempre que a Bíblia fala em dormir está se referindo, metaforicamente, ao corpo, porquanto a parte imaterial do homem não morre, nem dorme. O corpo do malfeitor arrependido ficou “dormindo”, mas seu espírito foi para o céu (Lc 23.43).

O conceituado Dicionário VINE nos oferece uma clara definição do termo grego koimaomai-dormir: “É usado acerca do “sono” natural (Mt 28.13); da morte do corpo, mas só daqueles que são de Cristo…; dos santos que partiram antes da vinda de Cristo (Mt 27.52; At 13.36); de Lázaro, enquanto Jesus ainda estava na terra (Jo 11.11). Este uso metafórico da palavra sono é apropriado por causa da semelhança na aparência entre um corpo dormente e um corpo morto; tranqüilidade e paz normalmente caracterizam ambos. O objetivo da metáfora é sugerir que assim como aquele que dorme não deixa de existir enquanto o corpo dorme, assim a pessoa morta continua a existir, apesar de sua ausência da região na qual aqueles que ficaram podem ter acesso ao corpo morto, e que, assim como sabemos que o sono é temporário, assim será a morte do corpo. É evidente que só o corpo está sob consideração nesta metáfora:
(a) por causa da derivação da palavra koimaomai, de keimai, `deitar-se´;
(b) pelo fato de que no Novo Testamento a palavra ressurreição é usada somente em alusão ao corpo;
(c) porque em Dn 12.2, onde os fisicamente mortos são descritos como `os que dormem no pó da terra’, a linguagem é inaplicável à parte espiritual do homem; além disso, quando o corpo volta de onde veio (Gn 3.19), o espírito retorna a Deus que o deu (Ec 12.7). É evidente que a palavra `dormir´, onde é aplicada aos cristãos que partiram, não tem a intenção de transmitir a idéia de que o espírito está inconsciente”.

Portanto, o argumento do “sono da alma”, como é conhecido, para justificar a visão holística do adventismo, é um dos mais insustentáveis. Somente o corpo fica inconsciente.

O ESTADO DOS MORTOS

Para atestar que os mortos estão inconscientes, os defensores da alma mortal apresentam os seguintes razões: Salmos 94.17, 115.17 e Isaías 38.18, que falam em “silêncio”; Salmos 6.5, fala em “esquecimento”; Eclesiastes 9.5, 6 e 10, de “inconsciência”; Daniel 12.2; Jó 14.12; Salmos 13.3, João 11.11 a 14; 1 Ts 4.13-15, falam de “sono”; Dn 12.13; Ap 6.11; 14.13, falam de “repouso”.

Contestação – A Bíblia ensina que ao separar-se do corpo a alma sobrevive e permanece num estado consciente de conhecimento. Portanto, quando a Bíblia fala em silêncio, esquecimento, descanso está se referindo à situação do corpo na sepultura, uma vez que a Palavra não pode contradizer-se. Já examinamos a questão do “sono da alma”, em tópico anterior. Os textos citados podem ser esclarecidos unicamente através do exame de Eclesiastes 9.5: “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma…a sua memória ficou entregue ao esquecimento”.

O próprio Salomão explica onde se dá essa falta de memória dos mortos. Vejam: Tudo o que te vier à mão fazer, faze-o conforme as tuas forças, pois na sepultura, para onde vás, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma” (v.10). Então, a palavra se refere ao corpo morto, inconsciente, que não mais terá qualquer atividade “debaixo do sol” (Ec 9.6), na terra, mas com certeza saberá o que estiver ocorrendo no céu (cf Lc 16.19-31; 2 Co 5.8; Fp 1.13; Ap 6.9).

Por outro lado, de nada adiantaria subir para Deus uma alma inconsciente, morta, sem memória. Mas vejam que Jesus e Estevão entregaram o seu espírito. Não entregaram a sua respiração, o sopro de seus pulmões. Também de nada adiantaria ao ladrão subir para o céu, e lá não gozar conscientemente das bem-aventuranças. Os argumentos da extinção total do ser humano na hora da morte não devem prosperar por falta de embasamento bíblico.

Dito isto, analisemos algumas questões levantadas pelo adventista Dr. Samuele Bacchiocchi, um dos expoentes da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD), no artigo intitulado “Dualismo e Holismo no Exame da Consciência após a Morte”. Suas considerações são um retrato ampliado do pensamento da senhora Ellen Gould White (1827-1915), co-fundadora e profetiza da IASD. Os argumentos e textos bíblicos do Dr. Bacchiochi são, regra geral, os mesmos da referida profetiza, que assegurou o seguinte: “Depois da queda, Satanás ordenou a seus anjos que inculcassem a crença da imortalidade natural do homem” (Ellen, “O Grande Conflito”, Edição Condensada, Casa Publicadora Brasileira, S. Paulo, p. 317).

Não se sabe como a profetiza soube o que se passava no reino das trevas. Ora, todos sabemos que os homens morrem, mas sabemos também que todos ressuscitarão, uns para a ressurreição da vida, outros para a ressurreição da condenação” (Jo 5.29). O problema reside em refletirmos a respeito dessa condenação. Os ímpios ressuscitarão para a ressurreição da morte? Ou para receberem a devida punição, “e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre” (Ap 20.10)? A imortalidade que defendemos não é a do homem, mas a da alma do homem. Jesus soube muito bem definir o que significa corpo mortal e alma imortal (Mt 10.28).

Mas adiante, Ellen White declara: “Se fosse verdade que a alma passa diretamente para o Céu na hora do falecimento, bem poderíamos anelar mais a morte que a vida” (p. 319). Argumento exatamente igual vem sendo usado pelos admiradores da profetiza.

O apóstolo Paulo sabia que não existe, para os salvos, nenhum espaço de tempo indefinido entre a morte e a vida futura. Vejam: …“enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor; mas temos confiança e desejamos, antes, deixar este corpo, para habitar com o Senhor” (2 Co 5.6,8); “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho; mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Fp 1.21,23).

Vejamos os argumentos do Dr. Bacchiocchi:

“Não existe na Bíblia qualquer dicotomia entre um corpo mortal e uma alma imortal que “se separa” quando da morte. Tanto o corpo quanto a alma são unidades indivisíveis que deixam de existir ao tempo da morte, até a ressurreição”.

Não procede tal tese. Ocorre exatamente o contrário. Na morte, há uma separação. Corpo e alma são unidades divisíveis. Conquanto o corpo se corrompa no pó, a alma, dada por Deus, sobrevive. A questão é que na visão holística o que se separa do corpo é o sopro; na visão dualista, o que se separa é a parte imaterial do homem.

“Abandonar o dualismo também provoca o abandono de todo um conjunto de doutrinas que resultam disso, especialmente a acariciada crença na consciência da vida após a morte. Isso pode se chamar “efeito dominó”. Se uma doutrina cai, várias cairão junto”.

Não há como os aniquilistas abandonarem a crença da pena de morte para a alma sem que sofram o “efeito dominó”. Abandonariam também a crença da inconsciência da alma, do extermínio dos ímpios, do sono da alma. Todavia, considero ser possível – em prol da liberdade de pensamento -, que um adventista se convença do ensino bíblico da imortalidade da alma, e continue adventista.

“O evangelho não nos dá base para uma doutrina de redenção que salva a alma à parte do corpo ao qual pertence. A comissão evangélica não é salvar almas, mas pessoas inteiras”.

Os evangélicos não ensinam o contrário. A redenção contempla o homem, corpo e alma. Para isso ocorre a ressurreição do corpo. É o corpo físico que ressurge. O mortal se revestirá de imortalidade (1 Co15.53-54). “…gememos, aguardando a redenção do nosso corpo” (Rm 8.23). As almas imortais não precisam ser revestidas de imortalidade. Elas estão num lugar de descanso, ou num lugar de tormento (Lc 16.19-31). Na ressurreição a alma volta a unir-se ao corpo e o homem retorna à situação original de ser vivente (cf Rm 8.11).

“Essas crenças têm enfraquecido e obscurecido a expectativa da segunda vinda de Cristo”.

Não procede o argumento de que a “crença popular” dualista não valoriza a vinda de Cristo, uma vez que as almas dos crentes já estão no céu. A redenção só se completa com a ressurreição do corpo, que está garantida pela ressurreição de Cristo (Mt 28.6; At 17.31; 1 Co 15.12,20-23). A ressurreição do corpo é necessária:
(a) porque o corpo é parte essencial e total da personalidade do homem (Rm 8.18-25);
(b) na ressurreição o corpo voltará a ser templo do Espírito (1 Co 6.19);
(c) para vencer a morte, o último inimigo do homem (1 Co 15.26).

“O homem não recebeu uma alma de Deus; ele foi feito uma alma vivente. Os animais também foram feitos “almas viventes” (Gn 1:20, 21, 24, 30; 2:19), contudo, não foram criados à imagem de Deus”.

Entenda-se “almas viventes” como criaturas viventes ou seres viventes que têm vida, que respiram vivem e se movem. Há, sim, uma grande diferença na forma como Deus criou homens e animais. Somente o homem recebeu o sopro de Deus em suas narinas (Gn 2.7). Isto é muito significativo. Para que os animais respirassem e vivessem não foi necessário o sopro de Deus. O respirar faz parte da mecânica do ser vivente. Os homens possuem algo provindo do seu eterno e imortal Criador. Esse algo se chama alma. Homens e animais se assemelham na morte porque os corpos de um e de outro descem ao pó e são consumidos. Mas com relação aos animais não se diz que o “espírito volta a Deus, que o deu” (Ec 12.7).

“O que retorna para Deus não é a alma imortal humana, mas o Espírito divino que transmite vida e que nas Escrituras são igualadas ao fôlego de Deus: “Se Deus. . . recolhesse o seu espírito [ruach] e o seu sopro [neshamah], toda carne pereceria juntamente, e o homem retornaria ao pó” (Jó 34:14-15). O paralelismo indica que o fôlego de Deus é o Seu Espírito transmissor de vida”.

Vejamos a versão Trinitariana: “Se ele pusesse o seu coração contra o homem, e recolhesse para si o seu espírito e o seu fôlego, toda a carne juntamente expiraria, e o homem voltaria para o pó” (Jó 34.14-15). …

O Espírito de Deus é Deus. O Espírito Santo é Deus. Não faz sentido dizer que o Espírito divino retorna para Deus. Na verdade, o texto nos diz que se Deus não amasse a humanidade [“pusesse seu coração contra o homem”], e tirasse o fôlego de todos e o espírito que nos foi doado, todos pereceriam. A passagem não serve como argumento para defender a mortalidade da alma.

A afirmação de que quem “retorna para Deus não é a alma imortal humana, mas o Espírito divino que transmite vida e que nas Escrituras são igualadas ao fôlego de Deus”, é uma velada negação do Espírito Santo como terceira pessoa da Trindade. As testemunhas de Jeová dizem que o Espírito é uma força, uma energia.

“Quando, porém, o sopro se vai, tornam-se almas mortas. Isso explica porque a Bíblia freqüentemente se refere à morte humana como a morte da alma (Lv. 19:28; 21:1, 11; 22:4; Nm. 5:2; 6:6,11; 9:6, 7, 10; 19:11, 13; Ag 2:13)”.

A exemplo de Lv 19.28: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós”, e Ageu 2.13: “Se alguém vier a tornar-se impuro, por haver tocado um corpo morto…”, nenhum dos textos citados diz que a alma morre junto com o corpo. Nada que possa robustecer a tese mortalista está nesses versículos, que apontam para o “corpo” sem vida, morto. No voto de nazireu havia a restrição de não tocar num corpo morto, que transmitia impureza (Nm 6.6). A mesma restrição é admitida pelo profeta Ageu, ao falar aos sacerdotes, porque fazia parte da lei (cf Nm 19.11-14).

“O que distingue os seres humanos dos animais não é a alma, mas o fato de que os seres humanos foram criados à imagem de Deus, isto é, com possibilidades semelhantes às de Deus, não disponíveis aos animais”.

Uma característica importante, a mais importante, distingue os homens dos animais: somente a respeito dos homens Eclesiastes diz que quando o corpo desce ao pó, o espírito volta a Deus (Ec 12.7). Somente com relação ao homem, Jesus revelou que a sua alma é imortal: “Não tenham medo daqueles que podem matar o corpo e não podem matar a alma” (Mt 10.28a). Portanto, não somos semelhantes aos animais nem na criação, nem na vida, nem na morte.

“Para impedir à humanidade pecadora a possibilidade de “viver para sempre” (Gn 3:22), após a Queda Deus barrou o acesso à árvore da vida (Gn 3:22, 23)”. “Após a Queda, Adão e Eva não mais tiveram acesso à árvore da vida (Gn. 3:22-23) e, conseqüentemente, começaram a experimentar a realidade do processo da morte”.

A alta simbologia da “árvore da vida” não ficará restrita ao conceito da imortalidade. O assunto foi desenvolvido em tópico anterior, onde lembrei que a mesma árvore surge na nova morada dos justos: “Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus (Ap 2.7). A árvore da vida representa a plenitude da vida eterna. A desobediência do homem resultou não na perda da imortalidade de seu espírito, mas em sua morte física e espiritual, como já explicado. A árvore da vida manifesta-se nos dias de hoje para o homem redimido, e estará na Jerusalém celestial, indicando o pleno retorno às condições no Éden.

“A advertência divina (G. 2:17) estabelece uma clara ligação ética entre a vida e a obediência versus morte e desobediência. A natureza humana não foi criada com uma alma imortal, mas com a possibilidade de tornar-se imortal. A desobediência resultou em morte, não apenas para o corpo, mas para a pessoa inteira. Deus não disse: “no dia em que comerdes dela, vossos corpos morrerão enquanto vossa alma sobreviverá num estado desincorporado”. Antes, declarou: “Vós”, ou seja, a pessoa inteira, “morrereis”.

A declaração “certamente morrereis” não revela tudo a respeito do complexo ser humano. Aprendemos que na Bíblia, a exemplo do Messias que começou a ser revelado em Gênesis 3.15, as revelações são progressivas, como foi progressiva a revelação a respeito da imortalidade e sobrevivência da alma. Após a queda, Adão experimentou a morte espiritual ao ver-se afastado de Deus, e ficou potencialmente sujeito à morte física.

“Sumariando, a expressão “o homem se tornou uma alma vivente-nephesh hayyah” apenas significa que em resultado do sopro divino, o corpo inanimado fez-se um ser vivente, que respirava–nada menos do que isso. O coração começou a bater, o sangue a circular, o cérebro a pensar, sendo todos os sinais vitais ativados. Declarado em termos simples, “uma alma vivente” significa “um ser vivo”, e não “uma alma imortal”. O que distingue os seres humanos dos animais não é a alma, mas o fato de que os seres humanos foram criados à imagem de Deus, isto é, com possibilidades semelhantes às de Deus, não disponíveis aos animais.”

“Possibilidades semelhantes às de Deus” é uma afirmação dúbia. Quais possibilidades? Poderíamos dizer que uma dessas possibilidades seria a imortalidade. O próprio Deus destacou a alma como o elemento que distingue os homens dos animais. O animal morre, e nada sobrevive; morre o homem, o espírito imortal sobrevive (Ec 12.7; Mt 10.28). Portanto, é exatamente o contrário do que foi dito.

“A Bíblia traz um relatório de sete pessoas que foram levantadas dentre os mortos (1 Reis 17:17-24; 2 Reis 4:25-37; Lucas 7:11-15; 8:41-56; Atos 9:36-41; 20:9-11), mas nenhuma delas teve uma experiência de pós-morte para compartilhar.

“Não existe forma de vida consciente entre a morte e a ressurreição. Os mortos repousam inconscientemente em suas sepulturas até que Cristo os chame no glorioso dia de Sua vinda”.

Mais uma vez tenta-se firmar tese com base no silêncio das Escrituras. Não é boa essa hermenêutica. As doutrinas devem ser apresentadas com base no que a Bíblia diz, e não no que ela não diz. Porque a Bíblia não relata experiências pós-morte, então não existe vida espiritual logo após a morte? Poderíamos dizer que os animais também ressuscitam, pois a Bíblia nada diz a respeito.

O argumento acima desconsidera o fato de que Moisés, apesar de haver morrido há mais de mil anos, apareceu em sã consciência e conversou com Jesus na transfiguração, estando presentes Pedro, Tiago e João (Mt 17.1-9). O profeta Elias, que subiu ao céu num redemoinho, também ali estava. O registro da presença de Moisés no monte da transfiguração é bastante para demolir o dogma da inconsciência dos mortos. Na tentativa de contornar mais esse obstáculo, alegam que é possível que Moisés haja ressuscitado, considerando-se que “o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele…” (Jd 9). Mas onde está escrito que Moisés ressuscitou? O que está escrito na Bíblia é que ele morreu e foi sepultado.

Todos os justos que já morreram estão na presença do Senhor, porque “Deus não é Deus de mortos, mas de vivos” (Mt 22.32). Esta é uma declaração da sobrevivência da personalidade após a morte. Entre a morte e a ressurreição os justos continuam como que vivos para Deus, e aguardam o momento glorioso da redenção do corpo, quando enfim a morte será vencida. Leiam: “Ora, Deus não é Deus de mortos, mas de vivos, porque para ele vivem todos” (Lc 20.38). A passagem explica que depois que os patriarcas morreram em seu estado corpóreo continuaram vivendo em outro estado.

“Nenhum texto bíblico autoriza a declaração de que a ‘alma’ é separada do corpo no momento da morte. O ruach, ‘espírito’, que faz do homem um ser vivente (cf. Gn 2:7), e que ele perde por ocasião da morte, não é, falando-se apropriadamente, uma realidade antropológica, mas um dom de Deus que retorna a Ele ao tempo da morte. (Ec 12:7)”.

Nesse caso o argumento do silêncio das Escrituras erra o alvo. A visão adventista da inconsciência após a morte assenta-se sobre dois pilares: Gênesis 2.7, “o homem se tornou alma vivente”, e Gênesis 2.17, “certamente morrerás”. Os dois textos são citados à saciedade no decorrer do artigo sob análise. Em tópico anterior dissertamos sobre essa questão. A expressão “alma vivente” significa um ser que vive, que se move, que respira. O homem é uma alma no sentido em que ele é um ser vivente, uma pessoa, uma personalidade. O próprio Deus, na Pessoa do Filho, que criou o homem e disse “certamente morrerás”, e que veio trazer Boas Novas, nos ensinou que o homem possui uma parte imaterial, o espírito, que se separa do corpo na hora da morte (Mt 10.28). Com isso, Jesus deu mais luz ao contido em Eclesiastes 12.7. Ao dizer ao ladrão arrependido: “Hoje estarás comigo no paraíso”, Jesus não se referia ao “dom de Deus”, à vida do malfeitor. Referia-se à sua personalidade, ao seu espírito, parte invisível e imaterial do seu ser. Ele foi recebido no céu pelo Deus dos vivos, e não dos mortos.

“Primeiramente, não há lembrança do Senhor na morte: “Pois na morte [maveth] não há recordação de Ti; no sepulcro quem te dará louvor?” (Sal. 6:5)”.

Já comentamos e refutamos diversos textos apresentados como prova de que não há memória na morte. A contestação e explicação está no próprio versículo. É “no sepulcro”, onde jaz o corpo, que ocorre a falta de memória.

“Alguns argumentam que a intenção das passagens que acabamos de citar e que descrevem a morte como um estado de inconsciência “não é ensinar que a alma do homem é inconsciente quando ele morre”, e sim de que “no estado de morte o homem não mais pode participar nas atividades do mundo presente”. Em outras palavras, uma pessoa morta é inconsciente no que concerne a este mundo, mas sua alma é consciente no que concerne ao mundo dos espíritos. O problema com essa interpretação é que tem por base o pressuposto gratuito de que a alma sobrevive à morte do corpo, um pressuposto que é claramente negado no Velho Testamento. Descobrimos que no Velho Testamento a morte do corpo é a morte da alma porque o corpo é a forma exterior da alma”.

“Em vários lugares, maveth [morte] é usada em referência à segunda morte. “Dize-lhes: Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do perverso, mas em que o perverso se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que haveis de morrer, ó casa de Israel” (Ez 33:11; cf. 18:23, 32). Aqui a “morte do ímpio” obviamente não se refere à morte natural que toda pessoa experimenta, mas aquela infligida por Deus no Fim aos pecadores impenitentes. Nenhuma das descrições literais ou referências figuradas da morte no Velho Testamento sugere a sobrevivência consciente da alma ou espírito à parte do corpo. A morte é a cessação da vida para a pessoa integral.”

Houve um lamentável equívoco na exposição da idéia. Em primeiro lugar, por que buscar apoio somente no Velho Testamento? A Palavra de Deus não se estende ao Novo Testamento? Segundo, o texto citado como exemplo não dá suporte à eliminação do corpo e alma juntos. As lentes dos aniquilacionistas enxergam extermínio em qualquer tipo de morte. Mas não é bem assim. Adão morreu, mas não foi exterminado. Nós morremos em Adão, por causa de sua desobediência (1 Co 15.22); os crentes morrem para o pecado, isto é, afasta-se de toda associação espiritual com o sistema pecaminoso do mundo (Rm 6.2; 1 Pe 2;24); morremos de morte natural (Mt 9.24); os ímpios morrem em seus pecados (Jo 8.24).

Vejamos o que diz o verso apresentado como prova: “Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Jeová, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva; convertei-vos, convertei-vos dos maus caminhos; pois por que razão morrereis, ó casa de Israel” (Ez 33.11). Em outras palavras, o texto repete Ez 18.20: “A alma que pecar, essa morrerá”. Agora, vejamos o que o articulista disse acima:

“Descobrimos que no Velho Testamento a morte do corpo é a morte da alma porque o corpo é a forma exterior da alma”.

Se a descoberta foi em decorrência dos versículos acima, vê-se claramente que nada foi descoberto. Ezequiel 18.20 e 33.11 falam em morte dos ímpios, isto é, morrem em suas iniqüidades (vv.10,13,18). Não diz que a morte do corpo é a morte da alma, nem diz que se trata de um extermínio nos tempos do fim. A “morte do ímpio” se caracteriza em dois planos:
(a) aqui na terra, pela quebra da comunhão com Deus (Tg 1.15), significando morte espiritual, tal como aconteceu com Adão logo após desobedecer (Gn 3.7-10);
(b) a morte eterna, caracterizada pela separação definitiva e irremediável entre o pecador e Deus, após a ressurreição de que trata Jo 5.29 e Apocalipse 20.5. A morte eterna é entendida como a segunda morte, o lago de fogo – mais adiante explicado -, onde serão atormentados para todo o sempre (Ap 20.10).

“Não há qualquer indicação de que a alma de Lázaro, ou das demais seis pessoas levantadas da morte, tenha ido para o céu. Nenhuma delas teve uma “experiência celestial” para narrar. A razão disso é que nenhuma ascendeu ao céu. Isso é se confirma na referência de Pedro a Davi em seu discurso no dia de Pentecoste: “Irmãos, seja-me permitido dizer-vos claramente, a respeito do patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado e o seu túmulo permanece entre nós até hoje” (Atos 2:29). Alguns poderiam argumentar que o que estava na sepultura era o corpo de Davi, não sua alma que havia ido para o céu. Essa interpretação, porém, é negada pelas explícitas palavras de Pedro: “Porque Davi não subiu aos céus” (Atos 2:34). A tradução de Knox assim reza: “Davi nunca subiu para o céu”. A Bíblia de Cambridge traz a seguinte nota: “Pois Davi não ascendeu. . . Ele desceu à sepultura e ‘dormiu com os seus pais'”. O que dorme na sepultura, segundo a Bíblia, não é meramente o corpo, mas a pessoa integral que aguarda o despertar da ressurreição”.

O simples fato de não haver relato das “experiências celestiais” não prova nada. Não é boa a hermenêutica que busca apoio no silêncio da Bíblia. Vejamos o contexto em que se insere “Porque Davi não subiu aos céus”: “A respeito dele [de Cristo] disse Davi: Porque tu não me abandonaste no sepulcro, nem permitirás que o teu Santo sofra decomposição… Posso dizer que o patriarca Davi morreu e foi sepultado, e o seu túmulo está entre nós até o dia de hoje… Prevendo isso, ele falou da ressurreição do Cristo, que não foi abandonado no sepulcro e cujo corpo não sofreu decomposição. Pois Davi não subiu aos céus…” (At 2.25-34).

Pedro explicou que a afirmação de Davi (Sl 16.10) não se referia ao próprio Davi, e sim a Jesus, que realmente ressurgiu dos mortos. Conclui dizendo que não foi o corpo de Davi que ressuscitou, pois o patriarca morreu e foi sepultado, e o seu túmulo está entre nós até o dia de hoje” (v.29). … “Porque não foi Davi quem subiu para o céu” (anabainõ-subir, ascender, levantar-se). Que o espírito de Davi foi imediatamente para o céu não há dúvida, à vista das diversas passagens bíblicas aqui citadas, e também porque ele era “homem segundo o coração de Deus” (At 13.22). É da vontade de Deus que os seus, a exemplo de Moisés, Elias, Enoque e o ladrão arrependido subam logo para o céu.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). O destino dos que recusam crer é a destruição (“perecer”), e não a salvação universal”.

No tópico sob o título “extermínio dos ímpios” o assunto foi amplamente analisado e refutados os argumentos contrários. Faz parte da visão dos mortalistas ver extermínio em tudo. O mesmo verbo apollumi-perecer, de João 3.16, é usado, por exemplo, em Romanos 14.15: “Não destruas [ou faças perecer] por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu”; e em 1 Co 8.11: “E, pela tua ciência, perecerá o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu”. Não se há de admitir que o irmão seja exterminado nesta vida terrena ou depois de ressuscitado. Então, entenda-se “perecer”, em João 3.16, como arruinar-se, afastar-se de Deus, perder a fé, perder-se, desviar-se do caminho.

“A solução sensata aos problemas do ponto de vista tradicionalista deve ser encontrada, não por rebaixar ou eliminar o quociente de dor de um inferno literal, mas aceitando-se o Inferno por aquilo que realmente é – a punição final e permanente aniquilamento dos ímpios. Como declara a Bíblia, “Mais um pouco de tempo e já não existirá o ímpio; procurarás o seu lugar, e não o acharás”, porque “o destino deles é a perdição” (Fil. 3:19).

A tese sobre o aniquilamento está mal formulada ou mal explicada. A morte natural é considerada como aniquilamento? Considerando que os ímpios ressuscitarão (Ap 20.5), a pena capital ocorrerá logo após ressuscitarem? Neste caso, qual seria a finalidade da ressurreição deles? Ressuscitariam, seriam castigados por um tempo de acordo com suas obras, e depois seriam exterminados? Neste caso, não seria melhor não revivê-los? 3

Referindo-se a Ezequiel 33.11, o articulista afirma que a “morte” ali referida “obviamente não se refere à morte natural que toda pessoa experimenta, mas aquela infligida por Deus no Fim aos pecadores impenitentes”.

Depreende-se que ao afirmar que “o destino deles é a perdição” o adventismo admite que o extermínio será o do corpo ressurreto, uma vez que não admite a existência de uma alma em sofrimento consciente. Retornamos ao seguinte questionamento: os ímpios reviverão para morrer? Sairão da sepultura para morrerem em seguida? Qual seria a finalidade da ressurreição dos ímpios (Ap 20.5)?

O inferno/lago de fogo e enxofre é lugar de prisão, desprezo, vergonha. Os anjos que pecaram foram lançados no inferno, presos em “abismos tenebrosos” (2 Pe 2.4; cf. Jd 6;cf Ap 20.7). O tormento é eterno, “para todo o sempre” (Ap 20.10).

“Mas não há ressurreição da segunda morte, pois os que a experimentam são consumidos no que a Bíblia chama “o lago de fogo” (Ap. 20:14). Esse será o aniquilamento final”.

A refutação está no próprio capítulo, verso 10: “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta [e para onde irão os ímpios, cf. verso 15]. De dia e de noite serão atormentados, para todo o sempre”. Todas as versões consultadas falam num tormento sem fim. O comentário da Bible Online (GILL), assim traduz: “E serão atormentados dia e noite para sempre; quer dizer, não só o diabo, mas a besta e falso profeta, porque a palavra está no plural: e este será o caso de todos os homens maus, de todos os inimigos de Deus e Cristo; é uma prova da eternidade de tormentos do inferno”.

“Não há existência independente do espírito ou alma à parte do corpo. A morte é a perda do ser total, e não meramente a perda do bem-estar. A pessoa inteira repousa na sepultura num estado de inconsciência caracterizado na Bíblia como “sono”. O “despertar” desse sono terá lugar quando Cristo vier e chamar de volta à vida os santos adormecidos”.

Então, anulemos tudo aquilo o que na Bíblia define como visão dualista, sobrevivência e consciência da alma após separar-se do corpo. Desprezemos, por exemplo, o relato dos evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas que falam da Transfiguração de Jesus, onde apareceu Moisés, que havia morrido há mais de mil anos (Mt 17.1-8; Mc 9.1-8; Lc 9.28-36). Quem estava ali? Uma saída honrosa seria dizer que era o “sopro” personificado de Moisés ou um fantasma. Nada disso. Era Moisés mesmo, confirmando que na morte a parte imaterial chamada espírito se separa e segue o seu destino: os de Cristo seguem diretamente para o céu. Sobre Moisés, escrevi numa determinada lista de discussão, onde o assunto entrou em debate:


Pensei pudesse receber melhor contribuição dos adventistas, ainda que contrária à minha crença, com relação ao aparecimento do falecido Moisés no monte da Transfiguração. O argumento contrário é bem vindo para que possa refutar com responsabilidade.

O que vi, todavia, foi a alegação de que Jesus não iria participar de uma sessão espírita, haja vista a proibição para tal prática (Is 8.19). Ora, o que está em pauta não é isso. Essa argumentação seria mais válida para ser apresentada por um espírita, em defesa da comunicação com os mortos.

O que sobressai é que a Palavra diz que Moisés, falecido, apareceu no monte da Transfiguração e falou com Jesus. Dizer que isso equivale a uma sessão espírita e que por isso mesmo não pode ser levado em conta, é não encarar de frente a questão.

Mas vamos lá. Na Transfiguração não se caracterizou uma sessão espírita como a conhecemos. Não houve intermediário, um médium entre o morto Moisés e Jesus. Não ocorreram manifestações mediúnicas. Moisés conversou com o Senhor Jesus como se estivesse no céu. Os apóstolos que presenciaram o fato não conversaram com o morto Moisés nem com Elias. Estes e Jesus conversaram entre si.

A Transfiguração (metamorphoõ) de Jesus se caracterizou por uma mudança radical do seu corpo; o termo denota alteração substancial, mudança completa. Então, o Filho de Deus se apresentou ali com a Sua natureza divina plena, da mesma forma como os apóstolos O viram na ascensão. Somente nessa condição falou com o morto Moisés. Não cito Elias porque este não passou pela morte; foi trasladado. Vejam que o rosto de Jesus “resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz” (Mt 17.2).

Menos desastroso argumento, embora natimorto, seria dizer que ali estava o “sopro personificado de Moisés”, ou que tudo isso é um simbolismo, que na verdade Moisés quer dizer Lei, e Elias quer dizer profetas. Seriam argumentos completamente refutáveis, mas muito mais dignos do que dizer que não podia ser Moisés porque Jesus não iria participar de uma sessão espírita.


“Como no serviço típico do Dia da Expiação, os pecadores impenitentes eram “eliminados” e “destruídos”, assim no cumprimento antitípico do juízo final, os pecadores “sofrerão penalidade de eterna destruição banidos da face do Senhor” (2 Ts 1:9).

A palavra “destruição” e as equivalentes perecer, eliminar e aniquilar ocorrem 66 vezes no artigo sob exame. Portanto, estamos realmente diante da doutrina do aniquilacionismo.

… Apõleia-destruição/perdição tem o significado de separação, “perda de felicidade, de bem-estar, não de ser”. Poderíamos traduzir assim: “Sofrerão a pena da eterna separação de Deus”. …. São expulsos, perdem o privilégio de viverem para sempre com o Senhor. …. Deus elimina e separa? Ora, se vão ser exterminados não há porque separá-los. Os ímpios ficarão eternamente separados.

Em nenhum momento o autor do artigo sobre a visão holística faz qualquer comentário sobre os castigos diferenciados. Como conciliar a doutrina da punição proporcional às faltas cometidas com o conceito holístico o extermínio puro e simples? Ora, a punição diferenciada como resultado do julgamento segundo as obras espelha a reta justiça de Deus. A pena capital nivelaria todas as faltas cometidas. Todos pagariam igualmente com a morte, qualquer que fosse o nível de suas culpas.

Sobre a ressurreição dos ímpios, revela o artigo:

“Mas não há ressurreição da segunda morte, pois os que a experimentam são consumidos no que a Bíblia chama “o lago de fogo” (Ap 20:14). Esse será o aniquilamento final”. A Bíblia, contudo, faz uma distinção entre a primeira morte, que todo ser humano experimenta em resultado do pecado de Adão (Rm 5:12; 1 Co 15:21), e a segunda morte experimentada após a ressurreição (Ap 20.5) como salário pelos pecados pessoalmente cometidos (Rm 6.23).

Admitem os mortalistas que os ímpios, após ressuscitarem (Jo 5.29; Ap 20.5), serão eliminados. Determinado adventista disse que “a ressurreição do ímpio é o prelúdio de sua destruição”. Deus agiria assim para que os ímpios morram “conscientes” de sua punição? Ora, na morte não há consciência. Apesar de já estarem mortos, Deus faria ressurgir bilhões de corpos para em seguida queimá-los no lago de fogo e enxofre. Para quê, se eles já estavam mortos?

O lago de fogo não é uma espécie de matadouro, um lugar de extermínio. É um lugar de vergonha, desprezo, angústia, tristeza por que passarão os que lá estiverem, pelos séculos dos séculos. A mesma expressão grega usada em Apocalipse 20.10, “serão atormentados para eis tous aiõnas ton aiõnõn-todo o sempre”, é usada em Hebreus 1.8, referindo-se à duração do trono de Deus, eterno no sentido de interminável; em 1 Pedro 4.11, concercente à Sua glória e domínio para sempre; em Apocalipse 1.8, sobre a eternidade do Cordeiro.

Acompanhem a seguinte seqüência de eventos e comprovem que a “segunda morte” não é uma aniquilação, mas um estado eterno de separação de Deus:
Apocalipse 19.20 – A besta e o falso profeta são lançados vivos no lago de fogo.
Apocalipse 20.2 – Satanás é amarrado por mil anos.
Apocalipse 20.5 – Os outros mortos reviveram após os mil anos.
Apocalipse 20.7 – Satanás será solto da sua prisão.
Apocalipse 20.10 – O diabo foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta. De dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.
Apocalipse 20.15 – Serão lançados no lago de fogo todos os não inscritos no livro da vida.
Observem que passados mil anos (Ap 19.20) a besta e o falso profeta ainda se encontravam vivos no lago de fogo (Ap 20.10) e continuarão no mesmo eterno estado de ruína, sendo atormentados dia e noite. Diante das evidências, falece, porque não bíblica, a tese da aniquilação dos ímpios.

“Descobrimos que tanto o Velho quanto o Novo Testamento claramente ensinam que a morte é a extinção da vida para a pessoa integral. Não há lembrança nem consciência na morte (Sl 9:5; 146:4; 30:9; 115:17; Ec 9:5). Não há existência independente do espírito ou alma à parte do corpo. A morte é a perda do ser total, e não meramente a perda do bem-estar. A pessoa inteira repousa na sepultura num estado de inconsciência caracterizado na Bíblia como “sono”. O “despertar” desse sono terá lugar quando Cristo vier e chamar de volta à vida os santos adormecido”.

Sobre o “sono da alma” já discorremos em análise anterior, neste estudo. O simples fato de a Bíblia usar a expressão “dormir” para os crentes mortos não pode ser traduzido como uma declaração de não sobrevivência da alma. Eclesiastes 9.5 deve ser entendido com os versos 6 e 10 seguintes: não há entendimento “debaixo do sol” nem na “sepultura”. Nesta, morrem os projetos humanos. Há, sim, vida após a morte, em razão da imortalidade da alma. A vontade dos adventistas e demais contradizentes é que os homens, na morte, sejam iguais aos animais. Todavia, somente no caso dos homens se diz que o corpo desce à sepultura, mas o espírito volta a Deus. Ora, os animais também receberam o fôlego de vida diretamente do Criador. Por que razão ao morrerem seus “espíritos” não se separam?

Salmos 9.5 fala da vitória de Davi sobre os inimigos do Deus de Israel, que pode ser uma alusão aos Amalequitas, quase totalmente aniquilados no reinado de Saul (1 Sm 15.1-9). Os sobreviventes dessa nação inimiga foram exterminados pelo salmista Davi (1 Sm 30). O exemplo não pode servir para estabelecer doutrina sobre o aniquilamento dos ímpios. Nem todos os ímpios são exterminados da mesma forma. A maioria morre de morte natural, como morrem também os justos. O salmista diz que seus nomes estão apagados para sempre. Sim, seus nomes, aqui na terra estão apagados. Serão lembrados na ressurreição (Ap 20.5) para receberem o castigo eterno. Portanto, o exemplo do Salmo 9.5 é inadequado como apoio ao ensino do aniquilamento, quer da alma, quer dos ímpios.

Salmos 146.4, citado pelo adventista, diz que na morte perecem os pensamentos dos homens. A mensagem fala da fragilidade dos propósitos humanos, que em decorrência da morte não conseguem dar-lhe curso. Por isso, o salmista diz para não confiarmos em homens (v. 3), mas depositarmos a nossa esperança no Senhor (v.5). “Naquele dia perecem os seus pensamentos” nada diz sobre a inconsciência do espírito que na morte se separa do corpo.

Salmos 30.9 ressalta uma realidade: “Porventura te louvará o pó?”. Trata-se de um “cântico para a dedicação do templo”. A palavra hebraica yãdãh-louvar é usada como expressão de adoração, agradecimento ou louvor público-congregacional. Na morte, o salmista estaria impedido de dar testemunho público no meio da congregação (cf. Sl 22.12,22; 35.18). Nesta concepção, somente os vivos louvam (Is 38.18-19). O salmista conclui afirmando: “Senhor, Deus meu, eu te louvarei para sempre” (Sl 30.12). Todavia, “as almas dos mortos”, cuja redenção ainda não se completou pela ressurreição do corpo, estão no céu louvando a Deus continuamente (Ap 6.9,10; cf Ap 19.4-7).

Quando a Bíblia diz que os mortos não louvam ao Senhor (Sl 115.17) e sua memória jaz no esquecimento (Ec 9.5), está falando de não haver memória neste mundo, mas certamente há memória deste mundo. Salomão esclarece ao dizer que “na sepultura, para onde vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma” (Ec 9.10). Na morte, os projetos humanos são findos. A Bíblia ensina que a alma sobrevive à morte num estado consciente de conhecimento.

“Outro bom exemplo se acha em 2 Ts 1:9 onde Paulo, falando a respeito dos que rejeitam o evangelho, declara objetivamente: “Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do Seu poder”.

Evidentemente a destruição dos ímpios não pode ser eterna em duração porque é difícil imaginar um processo eterno, inconclusivo de destruição. A destruição pressupõe aniquilamento. A destruição dos ímpios é eterna, não porque o processo de destruição continue para sempre, mas porque os resultados são permanentes. Do mesmo modo, os resultados da “punição eterna” de Mat. 25:46 são permanentes. É uma punição que resulta em sua eterna destruição ou aniquilamento”.

Entenda-se “destruição eterna” como eternamente arruinados, perdidos, abandonados, banidos da face do Senhor. Estarão destruídos porque separados para sempre do Senhor: …

O termo olethros-perdição, ruína, destruição é usado no Novo Testamento em quatro casos, e em nenhum deles significa extermínio (1 Co 5.5; 1 Ts 5.3; 2 Ts 1.9; 1 Tm 6.9). Exemplo: “Os que querem ficar ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína” (1 Tm 6.9). Na Bíblia, nem sempre a palavra original traduzida como destruir/destruição significa literalmente exterminar ou aniquilar: “O meu povo foi destruído porque lhe faltou o conhecimento…também eu te rejeitarei…” (Os 4.6). Vejam o termo hebraico shahat-destruir com o significado de ser vencido, rejeitado, derrotado, arruinado espiritualmente. Os israelitas eram “destruídos” porque rejeitavam deliberadamente a verdade que Deus lhes revelara através dos profetas e de sua Palavra escrita. Outro exemplo: “Porque no Filho do Homem não veio para destruir [apollumi] as almas dos homens, mas para salvá-las” (Lc 9.56).

Então, banidos da presença de Deus, de sua majestade e glória, estarão em ruína, destruídos, desprezados, envergonhados, punidos com eterno castigo (2 Ts 1.9; Dn 12.2; Mt 25.46; 2 Pe 2.9; Ap 20.10).

“Antes de analisarmos a parábola, precisamos nos lembrar que contrariamente a uma alegoria como O Peregrino, onde cada detalhe conta, os detalhes de uma parábola não têm necessariamente algum significado em si mesmos, exceto como “pontos de apoio” para o relato. A parábola tem o propósito de ensinar uma verdade fundamental, e os detalhes não têm um significado literal, a menos que o contexto indique doutra forma. A partir deste princípio outro se desenvolve, ou seja, somente o ensino fundamental de uma parábola, confirmado pelo teor geral das Escrituras, pode ser legitimamente usado para definir doutrina.

A tentativa de Peterson de extrair três lições da parábola ignora o fato de que a sua principal lição é dada na linha conclusiva: “ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (Luc. 16:31). Esta é a principal lição da parábola, ou seja, nada ou ninguém pode superar o poder convincente da revelação que Deus nos concedeu em Sua Palavra. Interpretar Lázaro e o homem rico como representantes do que ocorrerá aos salvos e perdidos imediatamente após a morte significa querer captar da parábola lições estranhas a sua intenção original.

O articulista fez uma ampla exposição da parábola do rico e Lázaro (Lc 16.19-31), do que extraímos algumas referências, como acima. Em suma, diz que não devemos levar em conta tudo o que foi dito por Jesus. Estabelece como principal lição da parábola “o poder convincente” da Palavra de Deus.

Todos esses argumentos objetivam contornar uma preocupante e incômoda afirmação: “Morreu o mendigo [Lázaro] e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão” (Lc 16.22). Simples e bela como uma flor, a afirmação de Jesus atinge em cheio a tese dos mortalistas de completa inconsciência depois da morte e de não sobrevivência da personalidade do homem.

Jesus teria cometido o deslize de causar tremenda confusão entre as gerações futuras ao dizer que três almas – Abraão, Lázaro e o rico – haviam se apartado do corpo, na morte, e estavam, conscientes, em seus devidos lugares, mesmo sabendo que a alma morre com o corpo? Improvável.

Na parábola do rico e Lázaro não há apenas uma verdade. Há várias lições que dela podemos extrair. A primeira, é que na morte o espírito se separa do corpo, e os salvos irão imediatamente para a presença do Senhor (Cf. Ec 12.7; Mt 10.28; Lc 8.55; 23.43,46; At 7.59; Fp 1.21,23; 2 Co 5.1,8; Ap 6.9; 20.14). A segunda, é que o estado de tormento ou de bem-aventurança após a morte é um estado consciente e irreversível. A terceira, é que os espíritos dos mortos não podem sair de onde estão para auxiliar os vivos. A quarta, é que o meio eficaz de salvação é crer em Jesus e na sua Palavra.

PARA ONDE VÃO OS MORTOS?

Para onde vão os mortos?

Todos os seres humanos têm curiosidade sobre as coisas do futuro e especialmente no que diz respeito ao que vem após a morte. Há muitas respostas à pergunta acima nas religiões e seitas, mas muitas delas estão ba­seadas em filosofias, conceitos esotéricos e experiênci­as pessoais, e em interpretações errôneas da Bíblia.

As Testemunhas de Jeová, por exemplo, negam o Céu e o Inferno, a alma e a sua sobrevivência à morte. Elas acreditam que a vida humana termina na morte, e se a pessoa tornou-se membro da Sociedade Torre de Vigia, a organização delas, Jeová tornará a trazer a vida depois do Armage­dom. As religiões e seitas seculares e não cristãs, por sua vez, não têm a Bí­blia. Com eles não há uma base comum para discussão, o que é diferente das seitas pseudocristãs, que afirmam crer na Bíblia.

A Torre de Vigia e os adventistas do sétimo dia não acreditam que a alma sobreviva à morte, por isso afirmam que a morte é o fim da vida. Charles Taze Russell trouxe essa crença dos adventistas, de onde veio antes de fun­dar seu movimento. Quanto à existên­cia do inferno de fogo ardente, Russell também acreditava nisso, mas foi der­rotado em um debate com um cético sobre o assunto, e por isso tomou-se também cético quanto a essa doutrina.

As Testemunhas de Jeová não acre­ditam que o destino dos salvos seja o Céu. O segundo presidente dessa or­ganização, Joseph F. Rutherford, en­sinou que o número dos que vão para o Céu se completou em 1935, como se Jeová colocasse uma placa no Céu com esses dizeres: “Não há vagas”. Por isso acreditam que no Céu há va­gas apenas para 144 mil pessoas, as demais Testemunhas de Jeová têm de se conformar em herdar a Terra. Elas acreditam ainda que o destino dos incrédulos é a sepultura, e não o Inferno, isso porque receberam tal ensino de Russell, através dos periódicos e publicações da Torre de Vigia, e não porque exista base bíblica para tal doutrina, apesar de a organização delas afir­mar que acredita na Bíblia. A Torre de Vigia ensina que o Inferno é um estado e não um lugar, e que é sepultura comum da humanidade.

O que acontece de fato é que sua organização pinça a Bíblia aqui e acolá para fundamentar uma crença muito antiga que depois passou a ser defendida pelo fundador do movimento das Testemunhas de Jeová. Além disso, procuram reinterpretar a Bíblia. Quando não conseguem depois de tudo isso moldar suas crenças à Bíblia, falsificam seu texto, como acontece na Tradução do Novo Mundo.

A Bíblia diz que há um lugar preparado para o “Diabo e seus anjos”, que se chama Inferno (Mt 25.46). Há várias palavras na Bíblia para identificar esse lugar de tormento, de maldição eterna, como Sheol, Hades, Geenna, Tártaro, que são traduzidas por “inferno”. A palavra hebraica Sheol aparece 65 vezes no Velho Testamento e segundo os dicionári­os de hebraico significa “o lugar invisível dos mor­tos, a habitação dos mortos”. Jacó não pensava numa sepultura quando desejou descer o seu filho José no Sheol, visto que para ele José teria sido devora­do por uma fera (Gn 37.33-35).

Hades é a forma grega da palavra hebraica Sheol. É o estágio intermediário dos mortos. Lá eles estão aguardando o Dia do Juízo, quando todos os mortos, juntamente com o Hades, serão lançados no Lago de Fogo ( Ap 20.13-14). O Hades não é ainda o Inferno propriamente dito. É uma prisão temporária, até que venha o Dia do Juízo. Os condenados estão lá, conscientes e em tormentos, sabendo perfeitamente porque estão nesse lugar, aguardando o Juízo Final (Ap 20.14 ), pois não é ainda o Lago de Fogo e Enxofre o Inferno propriamente dito. O Hades, portando, não é sepultura. Quando morre um justo, o homem interior, alma e espírito vão para a presença de Deus, enquanto o corpo é sepultado ( Ec 12.7 ; Ap 6.9 ). O incrédulo vai para o Hades ( Lc 19.22,23).

Geena é uma referência ao Vale de Hinom ( Js 15.8;18.16 e Jr 32.35 ). Era lugar de prática pagã (Jr 7.31 ), onde alguns reis de Israel sacrificaram a ídolos, e dentre eles o rei Salomão. O rei Josias fez uma devassa no local, fazendo dele lugar de lixo (II Reis 23.10). Desde a era interbíblica que esse vale já ti­nha relação com o castigo dos ímpios. Os rabinos aplicaram Hinom ao inferno de fogo escatológico, que é identificado com o Lago de Fogo do Apocalipse. Geena é uma palavra grega, embora não apareça na Septuaginta. O Senhor Jesus empregou essa palavra como símbolo da condenação eterna (Mt 5.29-30; 18.9 e Mc 9.47-48). Tártaro é uma palavra grega que só aparece uma vez no Novo Testamento (II Pd 2.4) e etimologica­mente significa “prisões eternas”. Pelo fato de aparecer só uma vez no Novo Testamento é necessário recor­rer aos escritores clássicos para se saber seu significado. Na literatura latina, o Tártaro representa o mesmo que o Hades representava para os gre­gos. Virgílio, na Eneida, descreve a descida de Enéias ao Tártaro, de for­ma semelhante à de Ulysses, descrita por Homero. Era crença na época dos apóstolos que o Tártaro estava debai­xo do Hades.

A Bíblia diz que os salvos vão para a presença de Deus. O apóstolo Pau­lo cria que na sua morte estava com o Senhor (IICo 5.1-2,6,8 e Fp 1.23). Isso pode ainda ser visto em Apocalipse 6.9-11. O Senhor Jesus disse ao mal­feitor que fora crucificado ao seu lado: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”, Lc 23.43. Esse texto foi adulterado na Tradução do Novo Mundo, que pôs uma vírgula depois da palavra “hoje”, mu­dando completamente o sentido da mensagem, simplesmente para adaptá-Ia às suas crenças peculiares.

No conhecido texto de Lucas 16.19­-31, “O rico e Lázaro” é uma prova indestrutível de que a vida não termina na morte, e que há um lugar preparado para os salvos e outro para os incrédu­los. Os céticos procuram escapar dessa realidade afirmando que se trata de pa­rábola. Ora, parábola é uma ilustração para extrair lições e verdades espiritu­ais. É uma maneira figurada de se ensinar uma verdade, e não um passe de mágica com po­deres para mudar o sentido da mensagem. Além dis­so, Jesus não disse e nem deu a entender que era pará­bola. Sua estrutura é diferente das parábolas. Não diz “o Reino dos Céus é semelhante” e nem “assemelha-­lo-ei” ou algo desse tipo. Os títulos usados em cada texto da Bíblia vêm dos editores e não fazem parte do texto original.

O que acontece é que os sectários querem escapar do Inferno por meio de distorções, na tentativa de extinguí-lo da Bíblia por meio de traduções falsas e interpretações errôneas, recusando o Senhor Jesus e o plano de Deus para Salvação ( Jo 3.16-18).

DEUS É TUDO…

Salmos:

SEGREDO PARA VENCER TODAS AS PROVAS: ESPERAR E PERSEVERAR EM CRER NAS PALAVRA DE DEUS..VIVEMOS DIAS ONDE AS PROMESAS DO PAI SE TRANSFORAM EM MILAGRES. CREIA NISSO!! COM CARINHO DULCI

 

ESTAMOS EM GUERRA!! PRECISAMOS NO REVESTIR.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Revesti-vos da Armadura de Deus

A luta espiritual (6:10-13). Imagine acordando um dia e achando sua casa bem no meio de um campo de batalha. Com bombas explodindo ao seu redor, os disparos de metralhadoras e os gritos dos feridos, qual seria o seu primeiro pensamento? Se levantaria para ir ao serviço? Iria para a escola? Lavaria o carro? A sua primeira reação seria a sobrevivência sua e da sua família, não é?

Mesmo quando não percebemos a guerra ao nosso redor, isso não quer dizer que ela não exista. Em termos bem fortes, Paulo escreve que o mundo é um campo de batalha espiritual (6:12). Nós precisamos nos despertar para ver que a batalha é real!

Essa batalha não é guerra material, e sim espiritual. Então, como alguém pode sobreviver? Precisamos ser “fortalecidos no Senhor e na força do seu poder” (6:10) e devemos vestir “toda a armadura de Deus” (6:11,13).

A armadura de Deus (6:14-20):

O cinto (6:14). A verdade (a palavra de Deus Sveja João 17:17) precisa ser embrulhada ao centro do nosso ser para segurar todas as coisas. Sem o cinto da verdade, a armadura se desmancha.

A couraça (6:14). O coração é protegido pela justiça de Deus, que é revelada no evangelho (veja Romanos 1:17). O cristão que vive segundo o evangelho está protegendo seu coração do mal.

Os calçados (6:15). Quando convertido pelo evangelho da paz, o inimigo se torna aliado. Quando há mais aliados e menos inimigos, fica mais fácil vencer a batalha. Pregando o evangelho da paz salva vidas da destruição da batalha.

O escudo (6:16). A fé é o escudo do cristão contra “todos os dardos inflamados do Maligno”. Tudo pode ser vencido em Cristo (veja Filipenses 4:13), através da fé verdadeira que foi uma vez por todas entregue por ele (veja 4:4; Judas 3).

A espada (6:17). A única arma ofensiva que o cristão precisa é a palavra de Deus (veja Hebreus 4:12; João 12:48; Apocalipse 1:16; 19:15). Para ganhar uma batalha espiritual, temos que falar a palavra espiritual de Deus, e não a palavra carnal dos homens.

Utilizando, com oração, todos esses recursos ouvimos da luta determinada de um bom soldado, somos motivados a continuar batalhando mesmo quando sentimos fracos. Mesmo no meio à batalha ardente, na confiança do Senhor encontramos paz, amor e graça.

COM CARINHO DULCI.