Arquivo da categoria: PENSAMENTOS

ATRAVESSAR O DESRTO E VENCER!ESTE É O ALVO.

DESERTO É A PROVA de que DEUS ESTÁ AGINDO
Não há cristianismo sem ”DESERTO”, 
Nem deserto sem tribulações.
DEUS não examina ”VC” procurando medalhas, certificados ou diplomas,
Mas sIm ”CICATRIZES”.
As MARCAS do DESERTO,
São de fato os SINAIS de uma vida que peregrinou sob a confiança do senhor
O DESERTO machuca, mas ”ENRIQUECE”. ”QUEIMA” a pele, mas ”TEMPERA” o caráter.
No deserto não há supermercados,
Nem dispensas, 
Mas há a DISPENSÃÇÃO da GRAÇA de DEUS 
Suprindo as necessidades de cada dia.
Sempre que DEUS pretender ”USAR ALGUÉM, 
Ele o conduz ào DESERTO para exercitá-lo nos limites da DEPENDÊNCIA.
DEUS
ELE não deixará que NADA, 
Atrapalhe a nossa TRAJETÓRIA!
Nada e ninguém podem nos impedir de alcançarmos AQUILO que é, por direito, NOSSO!
Ainda que o inferno se levante, 
Ainda que pareça difícil,Ainda que tudo diga que VC não vai conseguir,
DEUS,diz: Ninguém,vai poder parar VC. Por que a obra que eu começei vou terminar!!

SÓ JESUS TEM O PODER DE CURAR A ALMA FERIDA,MACHUCADA, ELE É O MAIOR DE TODOS OS MÉDICOS…OS PSCÓLOGOS AJUDAM O SER HUMANO A CONVIVER E TENTAR RESOLVER OS PLOBLEMAS MAS NÃO TEM O PODER DE CURAR JESUS VAI NA RAIZ DOS MALES E ENSINA O CAMINHO DA CURA.

ESPECIAL “CRIANÇAS” 1 – PEDOFILIA

O que é pedofilia?
R- A pedofilia é um desvio da preferência sexual (fantasias, desejos e atos sexuais) em que a pessoa tem predileção pela prática de sexo com crianças ou pré-púberes.

Como agem os pedófilos?
R – Os pedófilos se infiltram na vida da criança e agem de acordo com as suas necessidades: oferecem o que a criança quer, gosta ou precisa. Assim, o pedófilo diminui a chance dela se defender do abuso e de negar seus pedidos: a criança passa a se sentir devedora da ajuda recebida. De modo geral, o pedófilo se aproxima da criança através de interesses comuns, brincadeiras ou jogos, pelos quais vai angariando a amizade, aceitação e confiança da criança. O pedófilo costuma apresentar-se como um adulto alegre, participativo e cooperativo, sempre disposto a atender o desejo ou a necessidade da pequena vítima, condições que, por vezes, passam despercebidas pelos pais. O pedófilo dá presentes (doces, brinquedos, roupas, etc.), geralmente sem motivo e às vezes muito caros; conhece filmes, artistas e programas infantis (para criar interesses em comum); oferece passeios sem a companhia dos pais; etc.

Como ficam as crianças que sofreram abuso sexual?
R – Elas se tornam retraídas, perdem a confiança no adulto, ficam aterrorizadas, deprimidas e confusas, sentem medo de serem castigadas, às vezes até sentem vontade de morrer, perdem o amor próprio, têm queda no rendimento escolar e apresentam sexualidade não correspondente à sua idade. Sintomas e comportamentos a longo prazo podem ter alguma relação com o abuso sexual sofrido na infância: distúrbios psicológicos e psicossomáticos, frigidez, vaginismo, dispaurenia, promiscuidade sexual, impotência, pedofilia e pederastia, dificuldade sexual no casamento, incesto, prostituição, homossexualidade, uso de drogas, delinqüência juvenil, baixa auto-estima, depressão, sintomas conversivos e dissociativos, automutilação e até suicídio.

O que é a “Lei do Silêncio”?
R – É a situação quando a criança foi abusada sexualmente e é obrigada a se calar, geralmente por medo das ameaças feitas pelo abusador. Também existe a situação em que o abusador faz a criança se sentir culpada e, assim, esta não denuncia por “vergonha”. Outra situação ocorre quando a família fica sabendo e tem medo de denunciar, pensando que algo de pior pode acontecer, ou, ainda, quando a família é ameaçada ou se torna conivente com a situação.
O que fazer quando a criança ou o adolescente disser que foi abusado sexualmente?
R – A principal providência em caso de abuso sexual é apoiar a vítima, assim como levá-la a atendimento médico e psicológico o mais cedo possível:
Estar disponível para ouvi-los, sem censurá-los; Incentive-o a falar devagar o que se passou, mas sem muitas perguntas e comentários; Não culpá-los pelo acontecimento ; Oferecer proteção e prometer que tomará providências, as quais deverão ser feitas; Dar-lhes apoio e carinho; Consultar um médico; Consultar psicólogo; Informar as autoridades.

Onde denunciar? A denúncia pode ser anônima?
R – Os casos de abuso sexual, por sua própria natureza, causam constrangimento e medo, e por isso na maioria das vezes não são denunciados às autoridades, deixando o abusador livre para continuar seus crimes. Qualquer pessoa pode denunciar! Inclusive através de denúncia anônima, embora seja muito melhor a denúncia da pessoa que se revela. Basta comparecer, acessar ou telefonar para algum dos locais abaixo, fornecendo as informações que tiver. Está em nossas mãos salvar a dignidade, a saúde e muitas vezes a vida de uma criança

ME DÓI MAS EU SEI QUE DEUS TRANSFORMA..EU SEI QUE DEUS FAZ!


Eu creio que em Cristo encontramos salvação, pois em mim Ele operou um milagre.
Durante minha infância fui abusada sexualmente por meu pai e este ato de violência vivida gerou em mim inúmeras e dolorosas conseqüências.

Durante anos, dentro de mim existia um grande abismo, um verdadeiro buraco sem fundo onde eu me via cair dentro ele por muito tempo, não adiantava gritar, pois quando eu gritava ninguém além de mim podia escutar, visto que o grito vinha de dentro e não fora de mim.

Para me defender das pessoas me tornei uma pessoa arredia, manipuladora, egocêntrica e agressiva, maltratava todos que se aproximavam de mim para afastá-los e magoá-los antes que eles tivessem oportunidades de fazer isso comigo.

Nesta época me achava à menina mais feia do mundo, quando ficava nervosa, ou mesmo ansiosa, tinha uma fuga, acabava com minhas unhas, comia até as cutículas até que sangrassem, tirava as sobrancelhas até ficarem poucos fios de cabelo, comia de forma exagerada para me acalmar e nunca tinha controle de nada disto.
Às vezes atirava objetos pelo ar ou pelo chão, tudo inconscientemente para afastar de mim qualquer pessoa que tentasse se relacionar comigo e quando digo se relacionar, me refiro ao a qualquer tipo de relação, uma simples conversa, pegar na mão, abraçar, beijar, fazer elogios, etc. Irava por qualquer coisa.

Eu me transformei em uma pessoa infeliz, que só pensava em mim e no que eu iria fazer para me tornar uma pessoa feliz e satisfeita.
Eu acreditava que a felicidade era algo apalpável e que para alcançá-la deveria correr atrás dela e segurá-la com muita força, porque a qualquer momento ela podia escapar por entre meus dedos.
Minhas emoções eram muito alteradas, inconstantes de mais, na mesma hora em que eu estava sorrindo, já começava a chorar ou mesmo gritar e agredir as pessoas em volta de mim.

Por tudo que me aconteceu, por quem me tornei, deveras culpei minha mãe por não me ajudar, por não ver o que acontecia comigo debaixo do seu próprio nariz.
Muitas vezes te dava indiretas, porque na verdade nunca tive coragem de te pedir socorro, de dizer: “Mamãe me ajuda, olha o que papai fez comigo e o que ele ainda tem feito”.
O meu estado de medo culpa e ódio era permanente, me enrijecia, não permitindo que eu conversasse com ninguém, muito menos com ela.
Como é perceptível, estávamos doentes, toda a nossa casa estava precisando ser tratada, ser ouvida.

“Está aflito alguém entre vós? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.
Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados. A súplica de um justo pode muito na sua atuação”. (Tiago 5:13-16)

Quando minha mãe descobriu, eu já era adulta e não agüentava mais segurar esse segredo sozinha, precisava vomitar esse pesadelo e fiz isso poucos dias antes de meu pai morrer.
Nessa fase minha mãe entrou em depressão, chorava e se prostrou no sofá por meses, se culpava de dia e de noite.
Não tinha com quem conversar sobre tudo isso, então procurei uma psicóloga para mim, esta psicóloga por muitas vezes tentou me ajudar, mas as dores que eu carregava eram profundas e intensas de mais e ela não conseguia penetrá-las.

Eu já não agüentava mais toda esta situação, em lágrimas me prostrei em meu quarto e clamei ao Senhor, eu pedi a Ele que me curasse, que me desse uma vida normal, que me fizesse sorrir de forma sincera e espontânea, e que me ajudasse a sair de todo esse sofrimento e angústia.

“Na minha angústia invoquei o Senhor; e Ele ouviu minha voz”. (Salmo 118:5)

Não demorou um dia e o Senhor me visitou, removendo todas as minhas feridas, todas as minhas dores, até que Ele me deu forças e eu consegui jogar areia e cimento em cima daquele buraco que estava dentro de mim.
Então, chorei e descansei nos braços do Senhor, e Ele por sua vez, secou cada uma de minhas lágrimas com suas vestes esplendorosas e me lavou com seu sangue e sua água cristalina.
A partir daí eu consegui falar sobre o que aconteceu sem entrar em crise de desespero e foi exatamente nesta época que Deus me entregou o controle de todas as minhas emoções e começou a me ensinar uma forma saudável de me relacionar com as pessoas.

Todavia, antes de ser curada acreditava que eu era indigna de casar e constituir uma família, pois me sentia uma pessoa impura, suja demais para isto.
Mas, Deus depois deste processo de cura e restauração colocou em minha vida um homem maravilhoso, que sempre esta ao meu lado, me ajudando e apoiando.
Hoje tenho um relacionamento saudável, dentro dos princípios de Deus e muito em breve vamos nos casar e constituir a nossa família, que em nome de Jesus terá uma história diferente e abençoada, limpa dessas marcas.

“Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou à graça.” (Romanos 5:20)

Você e seus filhos também podem ter uma história diferente da minha.

Denuncie! Disque 100

eduardodedeus@netsite.com.br

http://www.uberlandiacontraapedofilia.com.br

FILHOS… CUIDADOS…

Certa mãe tomou uma decisão: “Meu filho nunca será reprimido. Terá total liberdade para não ser um recalcado e inibido. Fará na vida o que bem entender. Sou contra a repressão”.

Assim sendo, o menino foi crescendo livre, solto, à vontade. Tudo quanto queria era atendido.
E não custou a dar trabalho…
A própria mãe já o chamava de “meu adorável danadinho”.
Os vizinhos o chamavam de “peste”.
O apelido dele no bairro era “monstrengo”.
E quando se reclamavam das diabruras do garoto, a mãe costumava dizer: “Criança é assim mesmo. Não reprimam”.

O garoto cresceu libertino, porque sua mãe lhe dava corda em tudo. Enturmou-se o garoto com a galera do bairro, outros adolescentes livres, da pesada.
E quando a mãe menos suspeitava, foi chamada à polícia: Seu adorável libertino estava preso, comprometido com drogas, roubo à carro e estrupo.
A infeliz mãe chorou lágrimas amargas… soltou demais o seu filho e Arrependida disse: “Hoje entendo porque meus pais me castigavam quando era menina. Filho solto dá no que não presta”. A Bíblia está certa quando diz… (Pv 22.15; 29.15)

Há pouco presenciei uma cena interessantíssima num shopping de minha cidade.
Uma criança ao passar por um quiosque de uma famosa marca de sorvete gritou: – Mãe me dá um picolé? Sem titubear a jovem senhora lhe respondeu: – Não minha filha, você está gripada.
Ao perceber que sua vontade tinha sido frustrada, a garotinha imediatamente começou a espernear dizendo: – Eu quero, eu quero, eu quero!
Vendo o escândalo da menina, a mãe meio sem graça disse para os que estavam no local: – Ela quando quer uma coisa é fogo!
E sem medir as conseqüências do ato, atendeu-lhe o pedido dando-lhe o sorvete.

Saber dizer “não” é um dos aspectos mais importantes na educação de crianças e adolescentes, todavia, o que se percebe é que pais e mães possuem uma enorme dificuldade de frustrar os desejos de seus rebentos.
Uma das conseqüências disso é que ao se transformarem em jovens, tais indivíduos tornam-se impulsivos, incapazes de esperar, procurando a todo o custo a gratificação imediata e a satisfação dos seus desejos.
Não é, pois de estranhar que, diante uma contrariedade imposta por um professor, chefe ou líder, a agressividade surja como uma reação natural.

Caro leitor, fazer a vontade dos filhos mesmo sabendo que isto possa substancialmente lhes prejudicar, contribui significativamente para a construção de um comportamento infantilizado onde sua vontade deve sempre prevalecer. Estipular limites para um filho é prepará-los para conviver com o mundo, e com as frustrações que fazem parte da realidade da vida.

Adonias um dos filhos de Davi trouxe-lhe inúmeros problemas, o que se deveu ao fato de que este nunca fora contrariado por seu pai. Por acaso, você já percebeu que pais que nunca contrariam seus filhos experimentam no futuro vultuosas tempestades?

Pais permissivos, sem que percebam contribuem para a deformação de caráter de seus filhos. Em contrapartida, disciplina e limites quando usados na medida certa corroboram para o amadurecimento bem como crescimento emocional daqueles que tanto amamos.

Pense nisso!

Renato Vargens

O BOM HUMOR É TUDO DE BOM

Tenho um amigo que reclama muito.
Durante a semana, ele coloca defeito em tudo, nunca tem tempo para a filha e as poucas vezes que a encontra, reclama da vida, do tempo, dos negócios e das pessoas.
Além de ser muito chato ser e estar com um murmurador ele sempre perde a oportunidade de praticar a paciência, o amor e a generosidade com a filha e com as pessoas.
Relacionamento não se sustenta sem generosidade.
À noite, acho que se esquece dos problemas e melhora, daí se faz de alegre, mas é um infeliz.
Porém, se tocarmos em assuntos financeiros, a murmuração volta.
É muito triste conviver com pessoas assim, é um desafio de amor.

Geralmente o murmurador é egocêntrico, egoísta e mau agradecido.
Uma vez ouvi que o murmurador se faz de vítima ou injustiçado e acha que está sendo enganado, explorado, roubado, trapaceado ou feito de otário; se acha merecedor de muito mais do que se tem, conseguiu ou ganhou e é verdade isso.
Não existe êxito naquele que não sabe calar e com sua própria boca ele sai cavando seus buracos, suas inimizades, sua distância.
A murmuração torna a vida amarga.

Creio que por a pessoa reclamar tanto, ela nunca sai do deserto. Insensatez.
A murmuração nos afasta da vontade de Deus.
A murmuração rouba a promessa. Todos os que murmuraram não entraram na terra prometida, foram tragados no deserto.
É, tem gente que murmura por costume, reclama de tudo, começa a duvidar do propósito de Deus e passa a murmurar contra Ele também.

Quem é bem humorado não pratica a lamentação.
Ter bom humor é essencial para uma vida saudável. Bom humor não significa ser palhaço.
Por que a pessoa que reclama tanto e quer se fingir de alegre ,vira um palhaço de eventos.
O humor é uma coisa séria demais para ser confiada aos piadistas e idiotas.
O humor, na verdade, é aquele refinamento que torna o homem mais agradável aos seus semelhantes .

O indivíduo bem-humorado reflete alegria no e confiança em si mesmo.
O bom humor e é um exelente antídoto contra amargura.
Ser bem humorado dá leveza à vida , faz bons amigos, as pessoas tem prazer em estar ao seu lado e faz apreciar as coisas de forma mais humana.
O bom humor restaura nossas energias, nos faz ficar de bem com a vida, nos ajudar a ter uma certa distância dos problemas, além de nos tornar mais otimistas e fiéis.

Creio que o bom humor é questão de bom senso.

Nunca vi um murmurador e mau humorado ser vitorioso. Pense nisso!!

“Que a minha alegria esteja em vós e que a vossa alegria seja completa” (Jo 15,11)

PAZ SEJA…

Nossa família, amigos e conhecidos se envolvem em intrigas, calúnias e confusões e querem que tomamos partido ao seu favor.

Num primeiro momento, ficamos do lado dos mais queridos, mas temos que lembrar que somos chamados para apaziguar, para sermos pacificadores.
Ouvir sim, mas tentar a reconciliação.
Não podemos concordar com situações de animosidade.
A Bíblia diz que somos pacificadores, não geradores de intrigas.

Devemos nos alegrar com os que se alegram e chorar com os que choram, porém com atitude firme do nosso chamado. Ou agradamos nossos amigos ou a Deus.
Saiba que o verdadeiro amigo não é o que concorda com tudo para agradar o outro, mas o que o leva à verdade, com sinceridade.

O fato é que vivemos um momento difícil de falta de perdão, de desavenças, intrigas e mexericos.
E isso cria raízes destrutivas nos corações. Somente quando há uma mudança lá no íntimo, as motivações e as vontades se transformam. E é aí que entramos; levar essa paz, falar desse amor,trazer tranquilidade e confiança no que estamos mostrando.

Lí uma vez que “A verdadeira paz somente pode ser alcançada com a instalação da natureza de Cristo em nossos corações. A partir disso, começa um longo caminho de “transfusão de caráter”, uma espécie de download de um novo software que regerá nossos valores, pensamentos, palavras e atitudes.”

Sejamos construtores e não destruidores, mesmo que a princípio não seremos entendidos.

Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus. Mt 5.9

BUSCA SABEDORIA


Se você é daquelas que ainda acha que homens e mulheres são ou devem ser iguais, então preste atenção às dicas abaixo dadas por um representante da espécie masculina.

O escritor norte-americano John Crawford elaborou para o site Savvy Miss uma guia rápido sobre os principais erros que as mulheres cometem na hora de iniciar um papo sério ou uma discussão com o parceiro.
Ele lembra que o seu companheiro pode não ser um mestre das palavras como o escritor inglês William Shakespeare, mas que é perfeitamente capaz de manter uma conversa adulta.

Veja o que não fazer e dicas de como agir para conseguir o que quer:

1)Não aja de maneira tão emotiva

Homens de maneira geral não foram ensinados a conhecer e a tomar contato com seus sentimentos. Homens vivem à parte de suas emoções. Por isso, objetividade é a chave para prosseguir com a conversa. Não faça perguntas do tipo “O que se passa no seu coração?” e tente conter lágrimas e gritos. Segundo o escritor, para tornar a informação efetiva, as emoções não devem ser mostradas, pois dão curto-circuito neles, que sentem-se ameaçados e desconfortáveis. A melhor estratégia é ir direto ao ponto.

2)Não se ofenda quando ele está fora do ar

Segundo o escritor, o relacionamento ganha muito se a mulher entender que o homem precisa de seus momentos no seu mundo particular. Isso acontece quando ele está largadão no sofá, completamente alienado, assistindo à TV, geralmente algum programa esportivo. Não pense e nem ouse abordá-lo com questões como “Qual o problema?” ou “No que você está pensando?”

3)Não faça críticas

Quando seu companheiro faz algo errado ou do qual não gosta, a dica é não iniciar uma discussão dizendo o quanto ele foi rude, grosseiro, como lhe falta sensibilidade etc. A partir do momento que você começa a lançar adjetivos, ele fica na defensiva e a discussão cresce sem conteúdo. A receita, segundo o escritor, é dizer como você se sentiu com a atitude dele e depois pedir para que ela não se repita. Assim a queixa sai em forma de pedido e não de crítica e o bofe terá mais condições de entender e seguir.

4)Não fale muito

Nem adianta tentar. Quanto mais você falar, menos ele irá dizer. Isso porque os homens detestam discussões e muitas vezes preferem se omitir só para ver a questão encerrada. Eles temem que qualquer explicação irá desencadear uma nova avalanche de palavras das mulheres (e eles estão certo, não meninas?). A recomendação é clara: fale o que quer e seja breve.

5)Não comece uma discussão importante no carro

Vale um esforço para não cometer esse erro. Discussões sobre questões importantes precisam ser tratadas com consideração e isso inclui uma conversa olho no olho. Blá-blá-blá dentro do carro podem levar a mal-entendidos, pois ambos estão olhando para a rua sem observar expressões nem a linguagem corporal.

6)Não faça suposições

A dica é para não fazer das diferenças entre os sexos um obstáculo para um bom relacionamento. Com um pouco de paciência e boa vontade, é possível fazer ajustes e levar tudo numa boa. Não coloque os mitos, muitos reforçados em livros sobre relacionamentos, à frente das situações reais.

Fonte: Terra/guiame

COM JESUS NO BARCO…NÃO TEM PROBLEMA!

COISAS IMPORTANTES A APRENDER COM A ARCA DE NOÉ

1) Não perca o barco.
2) Lembre-se de que estamos todos no mesmo barco.
3) Planeje para o futuro. Não estava chovendo quando Noé construiu a Arca.
4) Mantenha-se em forma. Quando você tiver 60 anos, alguém pode lhe pedir para fazer algo realmente grande.
5) Não dê ouvido aos críticos; apenas continue a fazer o trabalho que precisa ser feito.
6) Construa seu futuro em terreno alto.
7) Por segurança, viaje em pares.
8) A velocidade nem sempre é uma vantagem. Os caramujos estavam a bordo com os leopardos.
9) Quando estiver estressado, flutue por um tempo.
10) Lembre-se, a Arca foi construída por amadores; o Titanic por profissionais.
11) Não importa a tempestade, pois quando você está com Deus há sempre um arco-íris te esperando

Exelente fim de semana!!!

PRECISAMOS CRESCER NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO DE JESUS E AJUDAR OS QUE SOFREM..A GRITOS DE AISSSSS VOCE OUVEE???

Jovens infelizes recorrem a sexo e drogas

Crianças insatisfeitas com a escola estão mais propensas a se envolver com bebidas, drogas e atividades sexuais.

É o que diz uma pesquisa da Universidade John Moores, de Liverpool, na Inglaterra, liderada pelo professor Mark Bellis, do Departamento de Saúde Pública.
O estudo avaliou mais de 3.500 jovens de 11 a 14 anos de idade, de 15 escolas do noroeste do país. Segundo Bellis, crianças com apenas 13 anos já apresentam comportamento de risco.
Durante a pesquisa, foram avaliadas opiniões dos jovens sobre a vida escolar e em casa, com perguntas abrangendo satisfação com a aparência, relação com os pais e professores, envolvimento com regras, assertividade e remorso.

As conclusões mostraram que os jovens que não gostavam da escola tinham 2,5 vezes mais chances ter relações sexuais precoces. O risco de uso de álcool também era maior, segundo a pesquisa.

“Nossa pesquisa identifica que é provável que crianças que bebem e são sexualmente ativas estão infelizes com suas vidas na escola e em casa. Os riscos são doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência e acidentes ligados ao abuso do álcool”, alertou Bellis.

(Galileu)

EU QUERO MAIS DE DEUS…

 

 RELIGIÃO É UM SACO

 
RELIGIÃO NÃO É BOM NÃO………

Porque na verdade não traz vida e nem satisfação verdadeira.
A religião ensina que você precisa acertar sempre.
Ela te diz o que se pode, ou não, fazer.
Ela te dá uma falsa impressão de segurança.
Ela te prende, te cega, te manipula e te machuca.
Ela engana, rouba a liberdade e faz com que você queira sempre provar alguma coisa pra alguém.

….MAS, JESUS É MASSA!!!!

Jesus é massa porque sendo humano ele foi o mais perfeito.
Amou e viveu livre de preconceitos.
Se inseriu na cultura da sua época e influenciou a humanidade com a mensagem do AMOR.
Ao contrário dos religiosos, Jesus estava cercado de pessoas comuns, pessoas imperfeitas como eu e você.
Falou do caminho a tomar e ensinou a andar neste caminho.
E mesmo sendo Deus, foi humilde e serviu aos imperfeitos que o seguiam.
Hoje, Jesus não viveria uma religiosidade, ele estaria a praticar o AMOR, sempre acompanhado por seus seguidores imperfeitos, salvos pela ação da GRAÇA de Jesus.

religiaoeumsaco.com.br